África

Coadjuvante de respeito na África

Passadas seis rodadas do Campeonato Sul-Africano, não há dúvidas de que a competição novamente será marcada pelo equilíbrio. Orlando Pirates, Ajax Cape Town e Kaizer Chiefs, os protagonistas na briga pelo título na temporada passada, novamente estão nas cabeças. Todavia, apenas duas equipes seguem invictas até aqui, e nenhuma das supracitadas ostenta este privilégio. Uma delas é o SuperSport United, que alcançou sua quarta vitória em seis partidas no último fim de semana e assumiu a ponta da Premier Soccer League.

Não chega a ser uma surpresa, é bem verdade. Até o início da temporada passada, o SuperSport defendia a invejável condição de tricampeão nacional consecutivo. Mas os torcedores dos Matsatsantsa tiveram de engolir seco um 2010-11 sem nenhum brilho, caindo na primeira eliminatória da MTN 8 e fechando o campeonato nacional num decepcionante 7º lugar. Gavin Hunt, o técnico tricampeão com o SuperSport (e mais vitorioso da curta história do clube), correu risco de demissão, mas foi mantido no cargo.

E, de fato, o problema não estava no comando. A diretoria do SuperSport não poupou esforços para fazer uma reformulação no elenco, contratando vinte jogadores e liberando outros 24 (isso mesmo, vinte e quatro). Não faltavam motivos para acreditar que a equipe estaria novamente fadada ao fracasso, e no primeiro jogo da temporada, isso parecia estar muito claro: derrota humilhante por 5 a 2 para o Ajax Cape Town e nova eliminação precoce na MTN 8.

E por mais contraditório que seja, o vexame em Cape Town parece ter reacendido as ambições do clube. Com quatro vitórias e dois empates em seis partidas, o SuperSport lidera a PSL de forma isolada com 14 pontos (um a mais que Chiefs e Ajax). Mas não parece o suficiente para crer que a equipe manterá uma regularidade até a reta final. Além de ter tropeçado contra o fraquíssimo Jomo Cosmos, que só venceu sete de suas últimas 73 partidas na primeira divisão, a equipe ainda não teve nenhum ‘gigante’ no caminho, ao contrário dos concorrentes diretos. O duelo fora de casa contra o Sundowns, daqui a dois dias, pode trazer uma noção mais exata desse bom momento.

Falando em Sundowns, os Brazilians (que são conhecidos desta forma pelo verde e amarelo do clube) são o exemplo mais emblemático de que nem sempre disparar na ponta significa algo. Na temporada passada, a equipe venceu cinco de suas seis primeiras partidas (aproveitamento ainda melhor que o do SuperSport) e terminou a competição em 4º lugar, ou na prática, como mero coadjuvante na luta pelo caneco. Em compensação, nesse mesmo período, o SuperSport só havia somado sete pontos na temporada passada. A evolução é evidente e merece ser comemorada.

O que preocupa é o fato dos comandados de Hunt serem considerados ‘velhos demais’ para manter o embalo, como a imprensa local faz questão de enfatizar. Ao menos o treinador parece disposto a rejuvenescer o time, a começar pelo gol, onde Ronwen Williams parece ter conquistado de vez a posição do experiente Rowen Fernandez.  Outros, como o ‘interminável’ Sibusiso Zima, o senegalês Mame Niang e o zagueiro Nasief Morris, estão no estaleiro e não fazem falta até aqui. Melhor para promessas como o meia Mduduzi Nyanda e o bom atacante malauiano Atusaye Nyondo, artilheiro do time com quatro gols, que vem se firmando.

Além do Sundowns na próxima rodada, o SuperSport terá uma sequência complicadíssima entre o fim de outubro e o início de novembro: Ajax Cape Town (fora), Kaizer Chiefs (casa) e Orlando Pirates (fora). Se passar ‘ileso’, não há mais o que provar. E para tal, a experiência, que vem sendo motivo de desconfiança, pode ser fundamental.

CURTAS

– De acordo com o jornal inglês Evening Standard, Michael Essien, que se recupera de uma grave lesão no joelho (a terceira de sua carreira), está fora da Copa das Nações Africanas do ano que vem.

– Ao que tudo indica, o volante ganês só deve voltar a jogar em abril, muito distante do início da CAN, em janeiro. Agyemang-Badu e Boateng, alvos de diversas críticas, deverão suprir esta importante ausência.

– Crescem os rumores de que o meia francês Gaël Kakuta deverá aceitar o convite de Claude Le Roy para defender a seleção do Congo. Em contrapartida, o volante Mulumbu, do West Brom, oficializou sua retirada da seleção nacional com apenas 24 anos.

– Zebra na FA Cup nigeriana. O Enyimba, recém-classificado para as semifinais da Liga dos Campeões africana, foi derrotado pelo Heartland por 1 a 0 na decisão do torneio. O capitão Chinedu Efugh marcou o gol do histórico triunfo.

– Desde 1993, quando faturou a Premier League local, este é o primeiro título de expressão da história do Heartland. No mês passado, jogadores e comissão técnica do clube estiveram envolvidos em um acidente que danificou o ônibus do clube, mas não vitimou ninguém.

– Como já era de se esperar, o treinador romeno Ilie Balaci não resistiu à pressão e foi demitido do Raja Casablanca. O substituto é o francês Bertrand Marchand, campeão da LC africana e semifinalista do Mundial Interclubes com o Etoile du Sahel em 2007.

– Entretanto, sua estreia não foi das melhores. Ainda em crise, o Raja empatou sem gols com o FAR Rabat pelo Campeonato Marroquino. Já o Wydad Casablanca recebeu o FUS Rabat e venceu sem sustos: 2 a 0.

– Pelo Campeonato Angolano, Recreativo do Libolo e Kabuscorp, líder e vice-líder, respectivamente, venceram mais uma vez. O Libolo bateu o Santos por 2 a 0 e pulou pra 50 pontos, enquanto o Kabuscorp demonstrou força ao bater o Primeiro de Agosto por 3 a 1, chegando aos 49.

– Eliminado ‘com honra’ na LC africana após vencer o WAC, o Mouloudia Alger segue 100% no Campeonato Argelino após vencer o AS Khroub por 2 a 0, em jogo válido pela terceira rodada. O JSM Béjaïa, vice-campeão na temporada passada, venceu o ES Setif por 2 a 1 e soma sete pontos.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo