África

Aprendiz de Conmebol, CAF remarca a final da Champions para campo neutro e pede medalhas de volta ao Espérance

Quando você pensa que não é possível a uma confederação de futebol ser pior do que a Conmebol, a CAF consegue se superar. A Confederação Africana de Futebol se afundou num gigantesco escândalo durante o segundo jogo da final da Liga dos Campeões da África. O VAR “quebrou” na hora de revisar um gol mal anulado, o Wydad Casablanca se recusou a ficar em campo por se sentir prejudicado e o Espérance ficou com a taça continental. O caso, porém, ainda vai dar muito pano pra manga. Especialmente porque os dirigentes africanos tomaram uma decisão que mais parece inspirada em seus pares sul-americanos: remarcaram a final, em jogo único e campo neutro – com a data e o local a serem apontados pelo comitê executivo da entidade. Mais ridículo, os tunisianos terão que devolver o troféu e as medalhas entregues pela confederação.

Em comunicado oficial, a CAF declarou que a partida de volta não cumpriu as condições esportivas e de segurança, por isso não chegou a um final. O relatório da arbitragem não aponta para a desistência do Wydad Casablanca, e sim para esta falta de condições. Imagens posteriores mostram um policial supostamente dando um soco no monitor do VAR, o que teria danificado o sistema. Todavia, o entrave só foi constatado no dia seguinte. O árbitro Bakary Gassama, que declarou a falha no sistema, chegou a aguardar a volta dos marroquinos para retomar a partida e preferiu encerrá-la diante da desistência, declarando o Espérance campeão. Misteriosamente, a entidade continental resolveu escrever uma nova narrativa para se safar.

Com a atitude, a CAF se exime da culpa pela condução da arbitragem e pela proteção ao VAR. Vale lembrar que a confederação escolheu Janny Sikazwe como árbitro de vídeo. Ele havia sido suspenso em 2018 pela entidade, acusado de aceitar suborno nas semifinais da Champions Africana passada. O beneficiado? Justamente o Espérance. Além do mais, o presidente da confederação também estava em campo durante a confusão. Ao que parece, Ahmad Ahmad decidiu remar conforme a opinião pública e tentar passar uma imagem de inocente diante da ocasião. A CAF é tão ou mais culpada que qualquer outro agente nesta história.

Muito provavelmente, a África do Sul deve ser escolhida como destino do jogo único, e não sem motivos. A CAF pretende que a final aconteça bem longe do norte da África, até pelos riscos que o reencontro representaria. Nos últimos dias, a final virou assunto nacional. Ambas as federações se manifestaram favoravelmente aos seus clubes. Além disso, foram registrados episódios de violência entre os torcedores, antes e depois da finalíssima na Tunísia. O clima estava tenso desde o primeiro jogo – quando o Wydad Casablanca também se queixou dos erros da arbitragem, que levaram o árbitro Gehad Grisha a ser suspenso por seis meses. Também houve confusão em Paris, onde a CAF realizou a reunião desta quarta-feira.

O Wydad, que vinha acusando a má conduta da CAF, não anunciou oficialmente qual será a sua postura. Já o Espérance deve se recusar a refazer o jogo. O clube declarou que a entidade “foge de suas responsabilidades” e promete recorrer ao Tribunal Arbitral do Esporte. Além disso, o próprio governo tunisiano se posicionou em apoio ao clube, afirmando que “não ocorreram problemas de segurança no jogo” e “que a postura dos torcedores foi exemplar”. Até pelo envolvimento dos agentes políticos, a impressão é de que esta final realmente não terá um fim. Ou, quando tiver, será sempre contemplada com um asterisco nos registros, que abrirá um precedente gigantesco nos próximos anos.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo