África

Acabou a euforia

A temporada 2012 do Al Ahly foi digna de um roteiro de filme. Sofrendo com as consequências do massacre de Port Said e da inatividade do futebol local, a equipe fechou o ano com uma improvável conquista da Liga dos Campeões Africana e uma campanha bastante digna no Mundial de Clubes. Embalado, o time iniciou 2013 da mesma forma, conquistando a Supercopa Africana após derrotar o AC Léopards na decisão. No entanto, o preço que se paga por ser um clube grande é a exigência de estar sempre em alto nível. Não é o que acontece com os “Diabos Vermelhos” na Premier League egípcia, iniciada no mês passado.

O Al Ahly amarga o seu pior início de campeonato desde 2003. Na rodada da semana passada, a equipe sofreu uma derrota acachapante para o Haras El Hodood por 3 a 0. Pra se ter uma ideia do significado deste resultado, os times já haviam se enfrentado 19 vezes na história da liga, com 16 vitórias do Ahly, três empates e apenas oito gols concedidos pelo time da capital. Em cinco jogos no Campeonato Egípcio, o Al Ahly já amarga duas derrotas. A outra foi para o modesto Smouha, por 1 a 0 (aliás, esta foi a única vitória do Smouha na liga até aqui).

A má fase já começa a tumultuar o ambiente da equipe. Nos últimos dias, surgiu o rumor de que o técnico Hossam El-Badry pediria demissão após o vexame contra o Haras El Hodood, prontamente desmentido pelo treinador e também pelos dirigentes do clube. A relação de El-Badry com a imprensa local nunca foi das mais amigáveis, e este episódio desgastou ainda mais esse “convívio”.

O fato é que o Al Ahly ainda tenta se reestruturar após perdas importantes na última janela de transferências. Dois dos pilares do time nos últimos anos, o lateral-direito Fathi e o atacante Gedo, foram cedidos ao Hull City, da segunda divisão inglesa. Como se não bastasse, o maior ídolo do clube, Mohamed Aboutrika, também se despediu: pela primeira vez na carreira jogando no exterior, o meia foi emprestado ao Baniyas, dos Emirados Árabes. O Al Ahly, no entanto, encontrou nessas negociações a melhor forma de arrecadar uma quantia razoável e enxugar a folha salarial.

Em situação desconfortável financeiramente, como indica o cenário, o Al Ahly não conseguiu suprir essas perdas com aquisições de impacto. No entanto, é bom frisar que outros clubes do país também estão atolados em dívidas e contam com elencos tecnicamente inferiores. O maior exemplo disso é o rival do Ahly, o Zamalek, que venceu todas as suas cinco partidas no campeonato até aqui. Fora de campo, no entanto, a situação é bastante delicada, com jogadores reivindicando salários atrasados.

O trio Fathi – Aboutrika – Gedo desempenhava funções imprescindíveis na equipe. Resumidamente, Fathi era o jogador de profundidade pelo lado direito, Aboutrika era o cérebro da equipe e Gedo era o homem-gol. Com a saída dos três, o Ahly ficou órfão de todas essas características. Além de tudo isso, jogadores importantes como Ghaly, El-Said e Soliman encontram-se lesionados. Sem eles, El-Badry não consegue dar uma dinâmica de jogo ao time, o que basicamente coloca a equipe no patamar de todos os seus adversários.

Daqui pra frente, os desafios só tendem a aumentar. O Al Ahly estreia ainda neste mês na Liga dos Campeões Africana e se vê obrigado a reagir imediatamente no Campeonato Egípcio para alcançar a zona de classificação para os playoffs. No entanto, nunca se pode duvidar de uma equipe que, além de carregar uma tradição imensa, já se provou muito capaz de superar adversidades.

Curtas

– Estão definidos os 16 confrontos da primeira fase da Liga dos Campeões Africana. As 24 equipes que venceram na fase preliminar se juntam a Al-Ahly, Mazembe, Espérance, Al-Hilal, Al-Merreikh, Djoliba, Stade Malien e ES Sétif, que ganharam vaga direta para esta eliminatória.

– Entre os principais jogos de volta da fase preliminar, o Zamalek empatou sem gols com o Gazelle (Chade) após vencer na ida por 7 a 0 e avança para encarar o Vita Club, da RD Congo. Também sem dificuldades, o Orlando Pirates aplicou 4 a 0 no Djabal Club (Comores) e agora enfrenta o Zanaco, de Zâmbia.

– Atual campeão angolano, o Recreativo do Libolo goleou o Simba (Tanzânia) por 4 a 0 e vai encarar o Al-Merreikh. A maior surpresa foi a eliminação do Moghreb Tétouan, do Marrocos, derrotado nos pênaltis para o Casa Sport, de Senegal, que enfrentará o Stade Malien. Outro confronto interessante será entre Tusker, do Quênia (que eliminou o St. Michel United, de Seychelles), e Al-Ahly.

– Também já são conhecidos os 16 confrontos da primeira fase da Copa da Confederação Africana. Na fase preliminar, destaque para a goleada histórica do US Bitam (Gabão) sobre o Desportivo de Guadalupe, de São Tomé e Príncipe: 12 a 1.

– Principais jogos da primeira fase: Petro de Luanda (Angola) x SuperSport United (África do Sul); Ismaily (Egito) x TCO Boeny (Madagascar); Étoile du Sahel (Tunísia) x Onze Créateures (Mali); Wydad Casablanca (Marrocos) x AS Douanes (Togo).

– A Associação Ganesa de Futebol (GFA) vai pedir aos irmãos Ayew que reconsiderem seus pedidos de afastamento da seleção nacional. Nos próximos dias, os filhos de Abedi Pelé deverão pronunciar-se novamente sobre o assunto.

– A Federação Argelina de Futebol confirmou que o bom meia Yacine Brahimi, do Granada, está autorizado pela Fifa a defender a seleção nacional. Brahimi nasceu em Paris, mas é filho de pais argelinos. Saphir Taider, francês de 21 anos do Bologna, também demonstrou interesse em naturalizar-se argelino muito em breve.

– Falando em naturalizações, Senegal também está disposto a incrementar seu plantel com novas caras. De acordo com o técnico Alain Giresse, jogadores como Mbaye Niang (Milan), Henri Saivet (Bordeaux) e Salif Sané (Nancy), todos nascidos na França e com ascendência senegalesa, estão no radar da comissão técnica para representarem os Leões da Teranga.

– Andoni Goikoetxea é o novo técnico da seleção de Guiné-Equatorial. Ele substitui o brasileiro Gílson Paulo, que não teve seu contrato renovado. A estreia oficial do espanhol será no próximo dia 26, em duelo contra Cabo Verde pelas eliminatórias para a Copa de 2014.

– Começou a temporada 2013 do Girabola, o Campeonato Angolano. O Primeiro de Agosto, que bateu o Recreativo da Caála por 3 a 0, conseguiu o triunfo mais expressivo da rodada inicial. O Kabuscorp, ex-time de Rivaldo, bateu o Desportivo da Huíla por 3 a 1 com direito a gol do recém-contratado Meyong, ex-Braga. O atual campeão, Recreativo do Libolo, perdeu em casa para o Interclube por 1 a 0.

– Brigando contra o rebaixamento, o Hearts of Oak conseguiu um empate contra o líder Medeama em 1 a 1 e saiu da zona da degola do Campeonato Ganês. No Marrocos, o Raja Casablanca disparou na liderança do Botola com a vitória sobre o CODM Meknès por 3 a 0. A equipe chegou aos 42 pontos contra 38 do maior rival, Wydad Casablanca, que venceu o Chabab Rif Hoceima por 1 a 0.

– Líder do Campeonato Sul-Africano, o Kaizer Chiefs só empatou em casa com o BidVest Wits por 1 a 1 e chegou aos 43 pontos. O Orlando Pirates, vice-líder com 40 pontos, teve o seu jogo adiado.

– Lanterna do Campeonato Sul-Africano, o Chippa United anunciou a contratação do veterano Benjani, ex-Manchester City, Portsmouth e Blackburn. O atacante do Zimbábue assinou com o clube até o fim da temporada.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo