Matt Le Tissier foi um dos nomes mais interessantes de sua geração, brilhando pelo modesto Southampton na Premier League durante os anos 1990. Fiel aos Saints, o meia começou e encerrou sua carreira no clube, recusando propostas de potências na Inglaterra para tentar vencer onde foi revelado.

Se por um lado sua missão de levantar um troféu não foi cumprida, por outro, a torcida ainda o idolatra, tomando o seu exemplo como um dos poucos jogadores que se comprometeram com uma filosofia, não com o dinheiro oferecido por gigantes. Le Tissier foi único nesse ponto, e pode também ser considerado como um dos maiores da história do Southampton. Talento reconhecido pela Seleção inglesa entre 1994 e 97, o atleta se aposentou em 2002 e agora volta aos noticiários com mais uma história incrível.

Nascido em Guernsey, uma ilha que pertence ao Reino Unido e beira a costa da Normandia, Matt irá retornar aos gramados para ajudar a equipe local, o Guernsey FC. Fundado há dois anos, o time disputa a Liga de Condados Combinados, uma espécie de divisão regional que está cinco níveis abaixo dos campeonatos profissionais da Inglaterra.

Acontece que o Guernsey terá 17 compromissos durante o mês de abril e para isso, precisará ter um elenco grande para lidar com o calendário mais do que extenso nos próximos dias. Foi daí que o filho pródigo da ilha  resolveu dar sua contribuição: Le Tissier, aos 44 anos, já se prepara para vestir a camisa dos Leões Verdes. Hoje, Matt é comentarista da Sky Sports inglesa e de pronto se ofereceu para ajudar nessa tortuosa sequência de jogos.

28 anos depois de deixar a ilha, Le Tissier confessa que seu retorno ao ofício que lhe lançou ao estrelato preocupou sua família. “Minha mãe e minha mulher ficaram preocupadas, temendo que eu fosse lá e tivesse um estiramento muscular. Devo sim sofrer para jogar durante os 90 minutos, mas em 20 ou 30 posso ajudar. Especialmente no fim, quando todos estiverem cansados. Apenas circunstâncias especiais como estas me fazem oferecer meus serviços. Os rapazes estão fazendo um ótimo serviço na competição e não precisam de mim para melhorar, é só o caso de oferecer suporte e dar um descanso para os companheiros”, conta.

Responsabilidades e o retorno ao ofício

Matt também comentou sobre a chance de finalmente vestir a camisa dos Leões numa partida oficial. De acordo com ele, sua família ainda vive na região e tem uma ligação muito forte com o time: “Guernsey é minha terra natal, onde cresci, é onde passei minha infância e tenho muitas memórias. Minha família ainda vive por aqui. Não consegui vestir a camisa de clubes daqui antes de ir para a Inglaterra, então certamente será legal ter esta oportunidade. Meus pais já compraram ingressos para o restante da temporada, espero que tenhamos uma boa sequência”, acrescenta.

Le Tissier é presidente honorário do Guernsey FC, onde seu irmão Mark ocupa o cargo de secretário geral. Animado com o “novo” reforço no seu plantel, o treinador Tony Vance se mostrou confiante que a maratona não será grande problema e que tudo se acertará: “Estamos um pouco tensos com o momento e procurando o equilíbrio. Creio que irei rir disso depois, é uma tremenda maluquice. Matt está disponível e reconheço que ele é sim necessário neste caso. Não decidi quando vamos utilizá-lo, já que os jogadores de sempre serão a primeira opção se estiverem em forma.”

Já tendo em mente o que vai enfrentar e levando em conta o aspecto físico, o ex-craque do Southampton parece ter uma estratégia para encarar o desafio: “Gosto de pensar que estarei em posição para tentar um gol, mesmo que seja de bem longe. Essa era minha principal característica nos tempos de atleta e se a chance vier, vou aproveitar e jogar no fundo das redes. O Guernsey somou apenas quatro pontos nos últimos três jogos do fim de semana, então é óbvio que os efeitos da fadiga estão aparecendo. O nosso objetivo é buscar a segunda colocação para tentar o acesso. Temos alguns jovens aqui que estão orgulhosos em representar sua ilha.”

Por fim, Matt ressalta os efeitos da sua idade e que nada será como antes, quando se acostumou a fazer a sua torcida enlouquecer nas bancadas. “Se eu marcar, certamente não irei comemorar como quando jovem. Até mesmo porque eu adorava correr pelo campo, extravasar e demonstrar o quanto estava feliz. Agora me contentarei em só voltarei até o círculo central para não gastar muita energia”, finaliza.

A maratona que faria Muricy Ramalho arrancar os cabelos e pisar no boné

Apenas dois dos 22 clubes concorrentes da Primeira divisão dos Condados Combinados conseguirão o acesso. Em quarto lugar na tabela e com 19 pontos atrás do líder Egham Town, o Guernsey tem sete jogos a menos. Caso vença todos eles, assumirá a ponta e ainda poderá exibir uma vantagem de dois pontos. Missão impossível? Confira abaixo a lista dos sete duelos que os Leões Verdes terão pela frente. E você reclamando que o seu time joga de quarta e domingo…

12/abr
x Horley Town
13/abr
x Farnham Town
14/abr
x Raynes Park Vale
16/abr
x Hanworth Villa
18/abr
x Badshot Lea
20/abr
x Hanworth Villa
21/abr
x Chessington