O próximo destino de Zlatan Ibrahimovic deverá ser a Itália. É isso que o próprio atacante revelou em entrevista à GQ Italia, dando a entender ainda, por sua descrição, que fará um retorno ao Milan.

Aos 38 anos, Ibrahimovic está sem clube desde que anunciou sua saída do LA Galaxy em 13 de novembro. No time norte-americano, Ibra marcou 52 gols e deu 17 assistências em 56 partidas. Números muito bons apesar da qualidade da MLS – e suficientes para atrair o interesse do Milan, apontado pela imprensa internacional como o seu provável destino.

As palavras de Ibrahimovic à GQ italiana reforçam a impressão de volta aos rossoneri: “Irei para uma equipe que deverá ganhar novamente, renovar sua história. Que busca um desafio contra todo mundo. É só dessa maneira que poderei encontrar a motivação necessária para surpreendê-los novamente. Como jogador de futebol, não basta escolher uma equipe. É preciso levar em conta outros fatores, inclusive o interesse da minha família. Em breve, na Itália”.

Ibrahimovic defendeu o Milan entre 2010 e 2012, inicialmente por empréstimo do Barcelona e depois sendo contratado em definitivo. No clube italiano, marcou 56 gols e deu 24 assistências em 85 jogos, tornando-se rapidamente uma das principais figuras da equipe de Milão. O desempenho rendeu a ele – e ao então companheiro milanista Thiago Silva – uma transferência para o PSG no verão de 2012.

Em sua volta para a Itália, o veterano encontrará uma liga que atualmente vê sua imagem manchada pelos repetidos casos de racismo. Nada novo na carreira do jogador, que já foi ele próprio alvo de racismo no país por conta do preconceito com a sua origem – Ibra é filho de pai bósnio muçulmano e mãe croata de ascendência albanesa.

Para o atacante, as medidas para combater o racismo na Itália precisam ser mais pesadas do que as atualmente em vigor. Especificamente, acredita na retirada de pontos, já que “as pessoas não entendem, até que paguem as consequências”.

“Vestir a camiseta ‘Não ao racismo’ é legal, mas isso não resolve o problema. Vale mais tirar três pontos, parar o jogo e fazer perder dinheiro, de tal maneira que você esteja se arriscando a ser rebaixado para a Série B. É preciso ser rigoroso. As pessoas não entendem até que paguem as consequências.”

“Quando eu estava na Itália, gritavam ‘cigano’”, lembra Ibra, para em seguida dar uma cutucada: “Isso também é racismo, é ignorância, mesmo que quando eles me vejam fora do estádio me cumprimentem e queiram tirar uma foto comigo”.

O Milan torcerá para que a equipe pela qual Ibra jogará e atrairá pedidos de autógrafo será a rossonera. Atualmente na 11ª colocação da Serie A, com apenas 17 pontos em 14 rodadas, o clube não tem o melhor dos ataques. São apenas 13 gols marcados, e Krzysztof Piatek, que chegara ao clube em janeiro fazendo gols de tudo quanto é jeito, viu sua fonte secar nesta temporada. Com apenas três gols em 14 jogos, já tem sua saída especulada, com o time de Milão procurando um novo atacante.