Faltando duas rodadas para o término do primeiro turno do Campeonato Português, o Tondela é o último colocado, com apenas 10 pontos ganhos em 15 jogos disputados. A equipe – que venceu apenas duas vezes até agora – não ganha há quatro jogos e, pelo futebol que vem apresentando, é forte candidata ao rebaixamento (mesmo estando apenas um ponto atrás do Moreirense, o primeiro fora da zona da degola).

VEJA TAMBÉM: Façanha de interino pode dar novo objetivo ao Braga na temporada

A fraca campanha não chega a ser uma surpresa para o time que subiu à primeira divisão em 2014/15 e ficou em 16º lugar na temporada passada. Escapar do rebaixamento e permanecer na elite é a principal meta da equipe que leva o nome da própria cidade e é dirigida pelo técnico Petit, ex-jogador da seleção portuguesa.

Mas o pequeno Tondela fez história nas últimas rodadas, de um jeito bastante improvável, e por isso ganhou espaço no noticiário e nas rodas de conversa sobre o futebol português. O time conseguiu a “proeza” de ser o primeiro a ter dois jogadores marcando dois gols contra cada em partidas diferentes pelo campeonato nacional.

A incrível história começou no dia 11 de dezembro, quando a equipe visitou o Nacional e foi derrotada por 3 a 2, de virada. Dois dos três gols do time da casa foram anotados contra, pelo zagueiro brasileiro Kaká.

E para desmentir o ditado de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, outro zagueiro, o português João Pica, repetiu a “façanha” duas rodadas depois, na visita ao Vitória de Setúbal, em 23 de dezembro. Desta vez, a derrota do Tondela foi por 3 a 0, com Pica anotando contra duas vezes. Assim, 16% dos gols que o time sofreu até agora foram anotados pelos seus próprios jogadores.

VEJA TAMBÉM: Em crise, Sporting precisa de tranquilidade interna para se recuperar

Para se ter uma ideia do tamanho do “feito” de ambos, apenas seis atletas, já contando Kaká e João Pica, conseguiram marcar dois gols contra no mesmo jogo pelo Campeonato Português – coincidentemente, todos eram zagueiros. Isso havia ocorrido pela última vez há 10 anos, quando José Fonte, do Paços de Ferreira, balançou as próprias redes duas vezes no empate por 2 a 2 com o Penafiel.

Petit, que está apenas em sua quinta temporada como técnico, evitou culpar os atletas – até porque, como ex-jogador, ele sabe que acidentes de percurso acontecem. Mas não deixou de lamentar a onda de má sorte. “Não é fácil”, resumiu.

Tanto Kaká quanto João Pica são experientes e têm crédito com a torcida. O brasileiro, de 35 anos, foi o autor do gol da primeira vitória do clube na divisão de elite (por ironia do destino, justamente contra o Nacional, na temporada passada, também fora de casa). O português, de 30 anos, está na equipe desde 2011/12 e foi peça importante nos acessos recentes.

Somente o azar de ambos nos lances dos gols contra não justifica a má campanha do Tondela. Mas deixa claro que, conforme prega o folclore do futebol, quando a fase é ruim, tudo dá errado. Até as estranhas coincidências que viram estatísticas históricas.


Os comentários estão desativados.