* Por Matias Pinto, podcaster da Central3 e parceiro da Trivela

Em todos os sorteios de competições chanceladas pela UEFA existe uma apreensão dos organizadores por possíveis confrontos considerados de risco. Com tantas cicatrizes abertas na Europa por conta dos conflitos armados do século passado, existe sempre a possibilidade de arquirrivais medirem forças dentro e fora das quatro linhas.

Na atual edição da Champions League, a maior preocupação era que os dois clubes russos (Lokomotiv Moscou e Zenit) cruzassem o caminho com o Shakhtar Donetsk, justamente por conta da disputa pela Crimeia entre o Kremlin e Kiev.

Já o Grupo B reservou um encontro de torcidas que, apesar da reputação, não causa necessariamente temores em relação à violência durante os 90 minutos. Nesta terça-feira, o Estrela Vermelha recebe o Olympiacos no Estádio Marakana, em Belgrado, e os dois irmãos ortodoxos poderão congregar. Os ultras gregos e sérvios formam uma aliança cromática e religiosa desde os anos 80. E, como prova desta relação fraternal, o primeiro amistoso internacional disputado pelo campeão europeu de 1990/91 ao final da Guerra do Kosovo foi contra o maior campeão da Grécia. No começo do século, o Spartak Moscou também se juntou aos balcânicos, formando uma trindade.

Não demorou para os rivais locais também se unirem contra esta ameaça alvirrubra. De um lado CSKA Moscou, PAOK e Partizan Belgrado somaram forças, enquanto Dinamo Moscou e OFK Belgrado criaram laços com o Anorthosis Famagusta, do Chipre. No caso da PAOK, existe até uma contra-cara curiosa, já que as arquibancadas do Estádio Toumba, em Tessalônica, são disputadas por grupos nacionalistas-ortodoxos e anarquistas, e estes têm uma grande proximidade ideológica com seus pares no Besikitas, apesar da enorme rivalidade entre gregos e turcos.

Ao redor do continente existem diversas relações fraternais entre coletivos de torcedores, desde afinidades religiosas (Ajax e Maccabi Tel Aviv), correntes migratórias (Feyenoord e Sunderland), ídolos em comum (AIK e Dinamo Zagreb), solidariedade (Iraklis e Rayo Vallecano), etc. Os ultras italianos, inclusive, denominaram este movimento como gemellaggio. Abaixo, você poderá conhecer algumas das principais amizades do futebol europeu na galeria e mapa interativo. Para diferenciar os escudos, aproxime a visualização. Utilize também as abas laterais para navegar conforme a região: