Por Matheus Laboissière

Imagine a seguinte situação: você é fã do jogo de videogame Fifa e pretende jogar uma partida online. Mas, diante de centenas de equipes dos mais variados países e ligas nacionais, qual escolher? Eis que você decide vencer seu adversário do outro lado do mundo com o modesto KV Mechelen, quatro vezes campeão belga, sendo o último título em 1988/89 – venceu também em 1942/43, 1945/46 e 1947/48, como FC Malinois.

Ao observar o elenco da equipe, a fim de definir a melhor formação tática – para não passar vexame na rede mundial –, você se depara com um nome estranho. Quem é Xavier Chen, provavelmente de origem oriental? O que este jogador está fazendo no elenco de um clube da Bélgica? Curioso, você começa a procurar na internet mais informações sobre este atleta e descobre algo que mudaria vidas para sempre… Pois bem, caro Trivelista, foi exatamente isso que aconteceu com este atleta!

Escolhas

 

Um garoto como outro qualquer. Assim, pode-se definir o início da caminhada do belga Xavier Chen. Nascido na pequena Sint-Aghata-Berchem, cidade de 22 mil habitantes, localizada na região metropolitana de Bruxelas, a apenas cinco quilômetros da capital do país, Chen teve sua primeira experiência com o futebol aos oito anos.

Em 1991, o menino foi aceito nas categorias de base do famoso Anderlecht, atual maior vencedor do Campeonato Belga, com 30 conquistas. Determinado, o jovem atleta chegou a defender a seleção da Bélgica sub-16, aos 14 anos. Tempos depois, pressionado pelos pais, que desejavam vê-lo assumir a carreira de advogado, Xavier Chen cursou a universidade de Bruxelas, sem deixar o futebol de lado – jogava meio período, ainda pelo Anderlecht –, até que concluiu os estudos.

Em dado momento da vida, o agora adulto, portanto, precisava tomar importante decisão: seguir a carreira de advogado ou continuar percorrendo o grande sonho de ser jogador de futebol? Ele mesmo responde: “Poderia facilmente ter escolhido ser advogado, mas amava futebol. Além disso, jogadores profissionais podem ganhar mais do que advogados”.

Crescimento

 

Em 26 de setembro de 2001, a então curta carreira do belga tomou rumos ascendentes. Ele foi convocado pela primeira vez para a seleção sub-19 da Bélgica e pôde fazer sua estreia nas Eliminatórias da Eurocopa da categoria. Era o primeiro jogo dos belgas no Grupo 11, diante da Romênia – o placar terminou em 1 a 1. Chen ajudou a seleção de seu país a se classificar para Fase Final, disputada na Noruega, ficando à frente de Romênia, Iugoslávia e Israel (dez pontos em seis partidas).

Assim, o técnico Marc Van Geersom decidiu levar Chen para a Euro sub-19 2002. Lá estava, no elenco oficial belga, o garoto do Anderlecht, já convivendo com jogos de seleções na altura de seus 18 anos. É verdade que a Bélgica não se apresentaria bem, terminando na lanterna do Grupo B, com um ponto em três rodadas (0v, 1e, 2d), atrás de Alemanha, Irlanda e Inglaterra. Porém, Chen havia tido sua primeira experiência internacional de fato, o que contribuiria para os anos seguintes – a título de curiosidade, a Espanha de Fernando Torres (atacante do Chelsea) e Andrés Iniesta (meia do Barcelona) venceu a Alemanha de Philipp Lahm (Bayern de Munique), na grande final, por 1 a 0, o quarto título da Fúria na história.

Profissional

Ao fim de 2002, Xavier Chen já não defendia mais a seleção sub-19, simplesmente porque fora alçado à equipe sub-21, um movimento natural para um atleta que crescia no que tange ao futebol, a cada instante. A partir de 2003, aos 20 anos, Chen deixou o Anderlecht, sem nem mesmo fazer sua estreia pela equipe principal. Um clube da Terceira Divisão do país, o KV Kortrijk, ofereceu um contrato e ele decidiu aceitar – a transferência rendeu 88 mil euros ao Anderlecht. Na primeira temporada, a equipe belga terminou em segundo no Grupo A da Derde Klasse, com 63 pontos em 30 partidas (19v, 6e, 5d), alcançando a promoção.

Em 2004-05, a equipe de Chen fez boa campanha na Segunda Divisão, terminando a temporada em sétimo, a dois pontos dos playoffs de promoção (48 pontos em 34 jogos, com 13v, 9e, 12d). O atleta, entretanto, não marcou nenhum gol. No ano seguinte, a carreira de Xavier Chen começou a deslanchar. Titular absoluto na lateral-direita, o jogador só não ficou 90 minutos em campo em três das 21 partidas das quais participou, vindo da reserva apenas uma vez. O KV Kortrijk terminou em quinto.

A promoção se aproximava a cada temporada. Em 2006-07, o Kortrijk atingiu os playoffs de promoção, em terceiro, a dez pontos da ascensão direta, que ficou com o FC Verbroedering Dender. Junto de Mechelen, Antwerp e Lierse, que vinha da 1ª Divisão (playoffs de rebaixamento), a equipe de Chen falhou e terminou em último, continuando na Segunda Divisão. Ele, pelo menos, permaneceu como peça-chave no elenco, disputando 17 partidas.

Mudança

Após 122 jogos e dois gols com a camisa do KV Kortrijk, Xavier Chen recebeu a grande chance da carreira. Um clube da Primeira Divisão, o KV Mechelen, que havia disputado a promoção na temporada anterior com o time de Chen, ofereceu um vínculo, prontamente aceito pelo belga, que foi de graça para o novo clube. Agora, o atleta conviveria com o melhor em termos de futebol belga e poderia, inclusive, mostrar ao Anderlecht que tinha condições de defender o clube. Até que ele teve essa chance, pois atuou os 90 minutos num jogo contra o ex-clube. Porém, o Anderlecht venceu, fora de casa, por 1 a 0 logo na estreia, em 3 de agosto de 2007.

Numa temporada (2007/08) em que o Mechelen terminou em 13º, com 40 pontos em 34 jogos (10v, 10e, 14d), distante 13 pontos da zona do rebaixamento, Chen jogou apenas nove jogos, mas foi titular em oito. A temporada seguinte veio e o lateral-direito foi ganhando espaço entre os titulares, com 26 partidas jogadas, apenas três vindo do banco. Coincidência ou não, o KV Mechelen também cresceu, findando a Jupiter Pro League em décimo, com 46 pontos em 34 partidas (12v, 10e, 12d).

Estrelato

 

Muitas surpresas aguardavam Xavier Chen em 2009/10. Em solo nacional, o KV Mechelen fez grande campanha e por dois pontos não disputou a Fase Final do Campeonato Belga, que reuniu os seis primeiros – a equipe terminou na sétima posição, com 39 pontos em 28 partidas (12v, 3e, 13d), a dois do SV Zulte-Waregem. Porém, mal sabia ele que, bem longe dali, mais precisamente em Taiwan, uma pequena ilha localizada no sudeste da China, alguém o estava observando.

Ginola Chen, diretor de relações-públicas da Associação de Futebol de Taiwan (CTFA, em inglês), estava procurando uma equipe para disputar uma partida no jogo FIFA 2010. Aleatoriamente, ele escolheu o KV Mechelen, time que Xavier Chen defendia. Pronto! A partir daí, Ginola mergulhou na rede mundial de computadores em busca de mais informações sobre aquele atleta de mesmo sobrenome. E encontrou…

Era outubro de 2009, quando Ginola entrou em contato com Xavier Chen, via e-mail. Após semanas de correspondências eletrônicas, o dirigente da CTFA percebeu que o atleta, cujo pai é taiwanês, poderia ser recrutado para defender a seleção nacional, obscura em se tratando de futebol – na época, Taiwan ocupava a 153ª posição no Ranking da FIFA (média de 2010).

Não demorou muito e os dois marcaram um encontro, em Bruxelas. Ginola pegou o avião e rumou para a Bélgica. Chen deveria ser convencido a defender a seleção taiwanesa em uma semana, a qual Ginola aproveitou muito bem, ao lhe mostrar notícias de jornal do futebol do país asiático, além de esclarecer as dúvidas do jogador, que tinha algum receio em aceitar a proposta. Disse Ginola, em um jornal de Taiwan:

“O homem que se postava em minha frente, me cumprimentando, era um atleta profissional de um clube europeu, com o qual eu estive em contato, secretamente, durante os últimos três meses. Apesar de Xavier ter feito parte da seleção sub-21 da Bélgica, ele nunca havia representado a seleção principal, o que o tornava elegível para defender Taiwan. Durante a semana em que estive com Xavier, mostrei notícias do futebol local e respondi a seus questionamentos, incluindo os prós e contras de ele aceitar vestir a camisa da seleção de Taiwan”.

Viagem

 

Assim que a temporada 2009/10 terminou, em meados de 2010, Xavier Chen, com 27 anos, rumou para Taiwan, após 15 anos da última vez que pisou em solo taiwanês, a fim de rever seu avô e conhecer o futebol do país. Ao descer no Aeroporto Internacional Taiwan Taoyuan, ele disse, cercado por dezenas de câmeras e repórteres: “Esta é a beleza da internet: um jeito moderno de encontrar jogadores, não é mesmo?”.

Dando sinais de que aceitaria jogar pela seleção, Chen disse que sua família se sentiria orgulhosa se ele escolhesse Taiwan. “É um sonho para todo atleta vestir a camisa de uma seleção”. Àquela altura da carreira, ele tinha consciência de que uma oportunidade pela seleção da Bélgica era cada vez mais remota.

Taiwan

De volta à Bélgica, não demorou muito para Xavier Chen aceitar a proposta da CTFA e se juntar à seleção de Taiwan – houve rumores de que a China também tentou recrutar o atleta, mas ele teria de renunciar à nacionalidade belga, pois os chineses só aceitam uma nacionalidade, diferente dos taiwaneses. Porém, antes de estrear pelas Eliminatórias Asiáticas para a Copa de 2014, Chen esteve em campo por 28 das 30 partidas do Mechelen pela Primeira Divisão, ajudando a equipe a atingir o sétimo posto pela segunda vez consecutiva, agora a um ponto do Standard Liège (49 contra 48), último classificado para a Fase Final do Campeonato Belga. Antes de começar a disputa da Copa da Bélgica, em 24 de julho, Chen viajou até Taiwan e fez parte do time titular nos dois jogos válidos pelas eliminatórias.

E a estrela do lateral brilhou. Se, em 91 partidas pelo Mechelen, Chen não soube o que era balançar as redes, por Taiwan ele conseguiu marcar um gol, o último da vitória sobre a Malásia (3 a 2), no jogo de volta da Fase Preliminar, em casa, diante de 16.768 torcedores num estádio Municipal (20.000 lugares) quase lotado. No entanto, o resultado não foi suficiente para Taiwan avançar de fase e o sonho da Copa do Mundo findou ali mesmo – nos documentos da FIFA, Xavier Chen tem o nome de Chen Tsan Yuan

Atualidade

 

Hoje, avaliado em € 1,2 milhão e embolsando cerca de € 700 mil por ano nos bolsos, Xavier Chen, 28 anos completados no último dia 5 de outubro de 2011, é titular absoluto do Mechelen, tendo disputado todas as nove partidas até o momento, total de 798 minutos em campo. Os gols ainda não saíram, mas o KV Mechelen vem na décima posição, com dez pontos (3v, 1e, 5d), a quatro da Fase Final do Campeonato Belga.

Todavia, toda essa história não seria possível se Ginola Chen não decidisse escolher o KV Mechelen no Fifa 2010. É como ele mesmo afirmou: “Muitas pessoas pensam que jogar videogame faz mal à saúde. Apesar de isso ter um fundo de verdade, sem o jogo Fifa, eu nunca perceberia que havia um lateral-direito titular num clube da 1ª Divisão da Bélgica, com um sobrenome asiático”. Fica a dica, caro Trivelista!


Os comentários estão desativados.