Xavi rechaça comparações com De Jong, mas diz que neerlandês “pode marcar uma era no Barcelona”

A comparação facilita a compreensão e é um recurso muito comum para projetar o futuro de jogadores no futebol. Xavi, no entanto, é um dos que prefere observar cada caso isoladamente. Em declarações publicadas no Instagram oficial da Copa do Mundo de 2022, o ex-jogador do Barcelona e hoje técnico do Al-Sadd rechaçou comparações de Frenkie de Jong com ele mesmo ou outros meias de destaque da história do Barça, mas afirmou que o jovem tem tudo para “marcar uma era” no clube.

[foo_related_posts]

“O De Jong é o De Jong, não tem nada a ver com Iniesta, Busquets ou comigo, é completamente diferente”, afirmou Xavi. “Ele parece, para mim, um jogador extraordinário. Não tem medo de receber a bola em áreas em que é difícil de girar. É muito bom”, exaltou.

O ídolo do Barça pregou paciência para que o neerlandês floresça e mostre seu melhor futebol no clube, afirmando que mesmo ele e Iniesta, figuras históricas da equipe catalã, precisaram de tempo para se adaptar completamente ao time principal.

“Os melhores jogadores do mundo vão para o Barcelona, e você precisa de tempo para se adaptar e se ajustar a uma nova cultura. Foi difícil para mim e para o Iniesta quando éramos jovens. É difícil fazer a diferença em um clube grande quando você é jovem.”

Projetando o próximo Mundial, Xavi aposta em De Jong para ser um dos grandes destaques da competição por seu estilo de jogo e pela seleção que defende: “Tenho certeza de que, jogando pelos Países Baixos, ele se tornará um dos melhores jogadores na Copa do Mundo de 2022. Fiquei feliz quando ele assinou com o Barcelona e o parabenizei”.

De Jong tem atualmente 23 anos e está em sua segunda temporada com a camisa do Barcelona, tendo se juntado ao conjunto blaugrana em um importante período de transição para o clube. Com estas circunstâncias, pode mirar o exemplo de Xavi, que, em meio a um momento de vacas magras na história do Barça, levou alguns anos para desbloquear todo seu potencial, tornando-se, por fim, um ícone não apenas do clube e de seu país, mas de toda uma geração.