Tudo bem que o Catar por enquanto vai sediar a Copa 2022 e isso significa que os holofotes naturalmente vão se aproximar do país do Oriente Médio nos próximos anos, principalmente após o fim da Copa 2018. Evidentemente, a contratação do craque espanhol Xavi Hernández pelo Al Sadd faz parte do pacote de promoção do futebol do país, mas a atenção que o campeão do mundo atrai ocorre somente quando protagoniza dribles bonitos, lançamentos precisos e marca gols.

VEJA TAMBÉM: De Simeone a Simeone, Kranevitter coroa evolução com chegada ao Atlético de Madrid

Por enquanto, Xavi só balançou as redes adversárias em duas oportunidades na liga nacional, em 17 de setembro (2 a 2 com o Umm Salal) e em 1º de outubro (abriu o placar na vitória de 2 a 1 sobre o Al Ahli), na quarta rodada. Nas 15 partidas do Al Sadd no Campeonato Catariano 2015/16, o ex-craque do Barcelona esteve 13 vezes em campo, todas como titular, ficando os 90 minutos mesmo aos 35 anos.

Esperava-se mais gols de Xavi com a camisa do Al Sadd, mas o espanhol não precisa ficar preocupado. O quarto colocado do Campeonato Catariano, com 28 pontos, um atrás do terceiro El Jaish, que fecha a zona de classificação para a Liga dos Campeões da Ásia, tem um goleador nato. Aos 29 anos, o atacante brasileiro Luiz Guilherme da Conceição Silva é o grande destaque da equipe em 2015/16. Mais conhecido como Muriqui, o jogador chegou ao Al Sadd no fim da temporada anterior, quando Grafite ainda estava no time vice-campeão nacional, que ficou a cinco pontos do campeão Lekhwiya.

Com tempo para fazer toda a preparação, Muriqui já balançou as redes 11 vezes na liga local, participando de todos os 15 jogos no torneio (sendo substituído em três oportunidades). O atleta, revelado no Madureira e com boas passagens por Vasco e Atlético Mineiro, é bastante experiente em se tratando de futebol asiático: são quatro participações em Liga dos Campeões da Ásia no currículo (2012 até 2015), 35 jogos como titular e só três começando no banco, com 21 gols anotados.

Desde 2011 no futebol asiático, quando chegou a defender o Guangzhou Evergrande no início da subida de patamar da equipe, Muriqui sabe da importância de se destacar no time de Xavi, pois um título do Al Sadd com participação importante da improvável dupla poderá resultar em mais alguns milhões nos bolsos do jogador brasileiro, que fará 30 anos em junho de 2016.

Rodrigo Tabata rouba a cena no Catar

Porém, será bem difícil para Muriqui e Xavi Hernández comemorarem o 14º título catariano da história do Al Sadd (é o maior campeão, seis à frente de Al Arabi, Al Gharafa e Al Rayyan). Tudo por causa de Rodrigo Tabata, AQUELE MESMO revelado no Goiás lá no Brasileirão 2005, quando o time do Centro-Oeste terminou na terceira colocação.

Ele continuou brilhando na carreira com a camisa do Santos (foi revelado no Paulista de Jundiaí), e o destaque resultou em sua ida ao exterior, defendendo times turcos (Gaziantepspor e Besiktas) e do Catar, onde está desde 2010. Aos 35 anos, curiosamente a mesma idade de Xavi, Rodrigo Tabata participou dos 15 jogos do Al Rayyan até aqui, todos como titular e ficando em campo os 90 minutos.

Melhor ainda, o meia-atacante brasileiro é o artilheiro do Campeonato Catariano com 15 gols, dois a mais que o tunisiano Youssef Msakini, do Lekhwiya. Rodrigo Tabata é um dos principais jogadores do Al Rayyan, que frequentou a segunda divisão local em 2014/15 (foi campeão ao vencer 16 dos 17 jogos, alguns com goleadas) e voltou a todo vapor à elite do Catar.

O time de Rodrigo Tabata é o líder da primeira divisão de 2015/16, com 42 pontos (uma derrota em 15 partidas), 11 à frente do Lekhwiya, diferença que parece difícil de desmoronar a 11 rodadas do fim da temporada. Quem diria que Xavi perderia o posto de estrela do Campeonato Catariano para Rodrigo Tabata e Muriqui, não é mesmo?

Curtas

– A fase de Rodrigo Tabata é tão boa que ele finalmente realizou o sonho de defender uma seleção nacional. Claro que não foi pelo Brasil e muito menos pelo Catar. Explica-se: em 17 de agosto de 2015, o técnico uruguaio Daniel Carreño, 52 anos, decidiu chamar o jogador para um amistoso extraoficial diante do LASK Linz (Áustria), que terminou em 2 a 2. Será que ele vai ser convocado para a seleção principal nas eliminatórias da Copa 2018? Os outros brasileiros que defenderam a seleção asiática são Araújo (Goiás, hoje no Central/PE aos 38 anos), Emerson Sheikh (Flamengo) e Fábio Montezine (revelado no São Paulo).

– Claro que não há só Rodrigo Tabata e Muriqui de brasileiros. São 14 jogadores (14%) tupiniquins no torneio, contra dez de Marrocos e oito iranianos – são cem estrangeiros ao topdo. Outros destaques são Romarinho (ex-Corinthians, marcou oito gols pelo El Jaish), Madson (Atlético Paranaense, Santos e Vasco, tem seis gols pelo Al Khor, na parte de baixo da tabela) e os zagueiros Domingos (Santos e Lusa, tem dois gols pelo Al Kharitiyath, e está desde 2012/13 no time) e Anderson Martins (Vasco e Corinthians, nenhum gol em 13 jogos pelo Al Gharafa).

– Rodrigo Tabata já defendeu o Al Rayyan entre 2010 e janeiro de 2014. Na má fase do time em 2013/14, que resultou no rebaixamento à segunda divisão, o brasileiro saiu na 18ª rodada e foi emprestado ao Al Sadd, terminando a temporada na elite local. Com o retorno do Al Rayyan à primeira divisão, o brasileiro voltou a defender a equipe da qual foi o melhor jogador da temporada 2011/12.