Um dos clubes mais jovens da Inglaterra e com uma das histórias mais interessantes finalmente conseguiu o acesso para disputar a League One na próxima temporada. O incrível AFC Wimbledon, que será tema de filme de Hollywood em breve, garantiu hoje sua sexta promoção desde 2004, época em que era uma agremiação com apenas dois anos de existência. Pelos playoffs da League Two, a equipe de Londres, que terminou em sétimo lugar na tabela de classificação, enfrentou o Plymouth e ganhou por 2 a 0.

VEJA TAMBÉM: Jogador mais forte do mundo será personal trainer de torcedor do Wimbledon por um dia

Não foi um placar tão tranquilo assim para o vencedor, que abriu o placar aos 33 minutos da etapa final, com Lyle Taylor, e fez o segundo gol apenas nos acréscimos, em um pênalti convertido por Akinfenwa. E sabe o que é mais curioso nessa promoção heróica? O Wimbledon jogará contra seu antigo “eu” na próxima temporada da terceira divisão inglesa.

Eu explico melhor. O Milton Keynes Dons estará na League One, já que terminou a Championship em penúltimo lugar na tabela e, consequentemente, foi rebaixado. Mas o que um clube tem a ver com o outro? Bom, a existência do AFC Wimbledon deve-se exclusivamente ao Wimbledon FC, que desde 2002 se chama Milton Keynes Dons.

O que aconteceu foi que os torcedores do finado Wimbledon FC não concordaram com a decisão da diretoria de migrar o estádio para uma cidade chamada Milton Keynes, localizada aproximadamente a 90 km de Londres, e fundaram o AFC Wimbledon, uma associação de futebol idealizada e criada pela torcida descontente do Wimbledon FC.

E o pior é que a mudança acabou não sendo apenas de lugar, mas também de nome, alterado para combinar com a nova casa. Foi assim que surgiu o Milton Keynes Dons (porque um clube não muda totalmente seu nome e continua com mesma identidade, me desculpe) e, junto com ele, foi criado o AFC Wimbledon,

Treze anos depois, os dois times encontram-se na mesma divisão e devem fazer duelos eletrizantes na Terceirona.

Akinfenwa de saída?

O carismático Adebayo Akinfenwa, o jogador mais forte do mundo, marcou de pênalti o gol do acesso do Wimbledon, que pode ter sido seu último ato pelo clube. Aos 34 anos, ele afirmou, em entrevista no gramado de Wembley, que será dispensado. “Acho que estou tecnicamente desempregado. Qualquer treinador que estiver por aí, me mande uma mensagem no Whatsapp e me dê um emprego”, pediu.

Pouco depois, quando o técnico Neal Ardley passou perto da entrevista, Akinfenwa agarrou-o (com cuidado, para não esmagá-lo) e começou a gritar: “Ele está me dispensando, ele está me dispensando”.

Aliás, vale a pena ver essa entrevista de Akinfenwa, em que ele fala sobre a importância do momento e sobre o gol que marcou nos acréscimos. “Eu havia dito para Callum ‘K’ (Kennedy) que ele poderia bater o pênalti. Mas o cenário estava bonito demais (para eu fazer o gol), e e eu sou maior que Call. Desculpa, Call”, disse.