Wijnaldum reforça papel de porta-voz nos Países Baixos e ataca tradição racista de São Nicolau

Georginio Wijnaldum tem se estabelecido cada vez mais como um porta-voz importante contra o racismo no futebol holandês – e na sociedade como um geral. Agora, na época de festas, o jogador do Liverpool deu uma entrevista à CNN em que condenou a tradição de Zwarte Piet, ou “Pedro, o Negro”, nos Países Baixos. O personagem é um ajudante de São Nicolau, precursor do Papai Noel, e todo ano, em dezembro, neerlandeses brancos se vestem como Pedro, majoritariamente praticando “blackface”.

[foo_related_posts]

Falando à emissora norte-americana, Wijnaldum se posicionou fortemente contra a tradição. O jogador contou que, quando criança, não entendia o que estava acontecendo, apenas ficava feliz com os presentes. Lembrou também que era chamado de “Pedro, o Negro”, mas que não compreendia por que o chamavam assim.

“(Quando você cresce) Aí você entende. Mas, quando eu era jovem, não entendia, porque a gente ganhava presentes, e era legal. Eles sempre dizem que é uma festa para as crianças.”

Wijnaldum argumenta que o personagem poderia ser trocado para qualquer outra coisa não ofensiva e que isso não afetaria as crianças. “Elas só pensam nos presentes que ganham, elas não pensam no Pedro, o Negro. Se for um Pedro, o Arco-Íris ou qualquer outro Pedro, contanto que ganhem os presentes, elas ficarão feliz, porque é assim que as crianças são.”

São Nicolau, o precursor do Papai Noel, é ainda muito popular em diversos países da Europa, entre eles os Países Baixos. Lá, a tradição é que, no Dia de São Nicolau, em 5 de dezembro, o santo aparece para entregar presentes às crianças, com o auxílio de seu ajudante, “Pedro, o Negro”. Todos os anos, no Dia de São Nicolau neerlandês, diversas pessoas brancas colorem seus rostos de preto (“blackface”), passam batom vermelho forte e vestem perucas afro para fingirem ser o personagem e distribuir presentes.

Holandeses vestido de São Nicolau e de Zwarte Piet (Getty Images)

Uma tradição antiga que remonta ao século XIX, a presença do ajudante Zwarte Piet nas celebrações tem atraído cada vez mais protestos contrários nos Países Baixos, com manifestações tendo acontecido em 18 cidades neerlandesas em novembro de 2019.

Cerca de 40 pessoas foram presas durante os protestos, maioria delas apoiadores da presença de Zwarte Piet, por atacarem manifestantes antirracismo com ovos, bananas e, em alguns lugares, segundo a Al Jazeera, fazendo saudações nazistas. Em Eindhoven e Rotterdam, parte do contraprotesto envolveu pessoas entregando doces e adesivos do Partido pela Liberdade, de extrema-direita.

Apesar do caráter claramente racista da prática de blackface, o assunto ainda divide muito a população neerlandesa. Parte das pessoas defendem a permanência do personagem nas festas, dizendo que o blackface é apenas para representar a fuligem das chaminés pelas quais Pedro, o Negro desce para entregar os presentes.

Wijnaldum não compra esta versão. Afirma que a tradição apenas encoraja o racismo e não tem medo de contrariar uma parte potencialmente grande da torcida da Oranje.

“Eles não sentem o que nós, negros, sentimos. Eles não são abusados dessa maneira. Eu não apoio essa cultura”, resumiu o meia do Liverpool.