A controvérsia sobre Sam Allardyce fez com que ele perdesse o cargo de treinador da seleção inglesa. Durou só 67 dias no cargo. A escolha do novo comandante não deve acontecer este ano. A Football Association (FA) já disse que Gareth Southate, ex-jogador e treinador do time sub-21 do país, dirige o time no restante do ano. Mas e em 2017? Arséne Wenger, técnico do Arsenal, foi especulado. E ele não descartou assumir, mas só depois do final da temporada.

LEIA TAMBÉM: Özil fez uma exigência inusitada para renovar com o Arsenal: a camisa 10

“Um dia, se eu estiver livre, por que não?”, disse Wenger, em uma entrevista coletiva. O francês completou 20 anos no comando do Arsenal, clube que ele mudou de patamar. Antes conhecido pelo futebol feio, os Gunners passaram a ser um exemplo de futebol bem jogado. A falta de títulos, porém, vem corroendo a excelente imagem que o técnico criou nos seus primeiros 10 anos de clube.

O técnico tem 15 títulos pelo Arsenal. São três títulos da Premier League e seis vezes a Copa da Inglaterra. É o técnico há mais tempo no cargo na liga inglesa. Muitos torcedores, porém, já pedem a sua saída, especialmente depois da temporada passada, 2015/16, com o título inglês do Leicester.

Apesar disso, o Arsenal começou bem a temporada. Não no primeiro jogo da liga, quando perdeu do Liverpool de virada em casa, mas de lá para cá o futebol do time melhorou, assim como os resultados. Na Champions League, o time empatou fora de casa com o Paris Saint-Germain por 1 a 1 e venceu com facilidade o Basel na última rodada. Na Premier League, o time tem quatro vitórias, um empate e uma derrota. Ocupa a terceira posição na tabela. Neste fim de semana, enfrenta o Burnley no domingo (12h30, horário de Brasília, na ESPN Brasil. Veja mais na programação de TV).

“A prioridade é ir bem aqui [Arsenal”], disse Wenger, ainda sobre o assunto seleção inglesa. “Parece que nós avançamos no nosso jogo. Nós encontramos um bom balanço entre ataque e defesa e o time acredita mais no que podemos fazer”, analisou o treinador. “Eu quero ganhar absolutamente tudo e jogar a partida perfeita em todos os jogos, é o meu sonho que as pessoas gostem do que elas veem”, finalizou o técnico.

Há uma pressão intensa para que a FA escolha um técnico inglês. Esta talvez tenha sido a principal razão que levou Sam Allardyce ao cargo. Se não houver a exigência que o técnico seja inglês, Wenger de fato tem um perfil perfeito para o cargo. É experiente, aos 66 anos, conhece muito bem o futebol inglês – não por acaso trabalha há 20 anos no Arsenal – e também tem uma boa visão do que se faz no exterior.

Mais do que experiência, Wenger tem estilo. É um treinador que mudou a forma como o Arsenal é visto, é um técnico com princípios modernizadores do jogo. Antes do Barcelona de Pep Guardiola transformar a posse de boal em obsessão, o técnico já fazia o Arsenal ser um dos times com maior posse de bola no futebol europeu. Suas declarações acima dão o tom sobre o futebol que ele quer que seus times joguem: com estilo, ritmo e com movimentação.

Desde que assumiu o cargo no Arsenal, em 1996, em todas as temporadas completas que fez ele ficou ao menos em quarto lugar. Nunca abaixo disso. Dificilmente um candidato terá o seu currículo e sua vivência de Inglaterra. Não há técnicos ingleses no mesmo patamar e poucos no mundo possuem uma carreira tão brilhante.

Se a FA for inteligente, esperará por Wenger ao final da temporada para fazer dele o novo técnico da seleção inglesa.

Chamada Trivela FC 640X63