O último sábado foi o primeiro jogo de Ezzeldin Bahader pelo 6 de Outubro e ele marcou, de pênalti, o gol do empate por 1 a 1 contra o Genius, pela terceira divisão do futebol egípcio. Tudo normal, exceto que Bahader tem 75 anos.

A Federação Egípcia de Futebol registrou o contrato de Bahader com o 6 de Outubro durante o período de inscrições de janeiro e o objetivo dele e do clube é claro: entrar no Guiness Book, o livro dos recordes, como o jogador profissional mais velho da história.

Segundo a Reuters, a marca atualmente pertence ao israelense Isaak Hayik, de 73 anos, que defendeu as balizas do Ironi Or Yehuda, no último mês de abril, e Bahader precisa fazer duas partidas completas em um torneio profissional para superá-lo.

E quem é esse senhor? Pai de quatro filhos, avô de seis, ganhou a vida como consultor de engenharia civil e especialista de cultivação de terra. Morou por 15 anos no Kuwait antes de se mudar para New Cairo, ao leste da capital do Egito.

Fumou durante anos e jogou futebol amador até começar a buscar emprego em clubes profissionais. O 6 de Outubro foi quem o aceitou primeiro, em “nome do patriotismo” e, claro, para ganhar alguma publicidade com a presença do livro dos recordes no segundo jogo oficial de Bahader.

Não fez feio. Seu time não foi derrotado, ele conseguiu ficar os 90 minutos em campo, embora estivesse machucado, e ainda fez um gol. “Eu me torneio o jogador profissional mais velho a fazer um gol em um jogo oficial”, contou, segundo a BBC. “Isto é algo que consegui no último minuto do jogo e eu pensei que não conseguiria. Estava machucado e só queria completar os 90 minutos e jogar a próxima partida”.

O treinador do time, Ahmed Abdel Ghany, não escondeu que o objetivo por trás da “contratação” de Bahader é só bater o recorde. “Honestamente, ele não nos beneficiará 100% tecnicamente, mas nós o reabilitamos para que ele possa jogar os 90 ou 180 minutos”, completou, à BBC.