Roma e Internazionale fizeram o primeiro grande jogo da Serie A 2017/18. A primeira partida que colocaria frente a frente virtuais candidatos à parte de cima da tabela, em um contexto bem mais amplo. A Roma recebia os nerazzurri tentando demarcar o seu território. Já a Inter visitava os romanistas não apenas para referendar o seu novo projeto, como também para demonstrar o seu potencial de retomar a sua grandeza. Era uma noite particularmente especial para Luciano Spalletti, já reencontrando o antigo time e sendo recebido de uma maneira nada amistosa pela torcida, ainda rancorosa pelo tratamento que o treinador deu a Francesco Totti. Porém, no fim, o comandante interista pôde saborear a vitória. Cada equipe teve seu momento, mas a precisão dos visitantes no final pesou bem mais. Triunfo da Inter por 3 a 1, mantendo os 100% de aproveitamento.

Em um jogo que começou mais resguardado, com a Internazionale dominando a posse de bola, a Roma aproveitou logo os seus primeiros ataques. Aleksandr Kolarov deu o aviso com uma bola na trave, após chance perdida por Icardi com o gol aberto. Já na sequência, Radja Nainggolan deu um ótimo lançamento para Edin Dzeko. A zaga interista parou, pedindo um impedimento que não existia, e o centroavante aproveitou para fuzilar Samir Handanovic. O gol aos 15 minutos deu mais segurança à Roma, mas faltava ímpeto. Uma nova chance clara só surgiria aos 39, com Nainggolan também parando na trave. Neste momento, de qualquer forma, a Inter já tinha se recobrado do baque. Na melhor chance dos nerazzurri, Alisson realizou grande defesa em tentativa de Mauro Icardi.

Spalletti mexeu na Inter logo na volta do intervalo, colocando João Mário no lugar de Roberto Gagliardini. E o português teria grande influência na melhora de sua equipe. A Roma tentou matar o jogo logo nos primeiros minutos do segundo tempo, intensificando a pressão, antes de que os visitantes voltassem a equilibrar. E, de novo, quando a equipe da casa esteve próxima do segundo, Diego Perotti esbarrou na trave. Seria a grande lamentação dos giallorossi, já que o empate dos interistas aconteceria minutos depois. O meio-campo dos anfitriões deixou um latifúndio na intermediária, o suficiente para Antonio Candreva avançar e passar para Icardi. O argentino racionou rápido e bateu logo após dominar, vencendo Alisson.

Entrando no lugar de Yuto Nagatomo, Dalbert já mostrou que não há razão para ser reserva e salvou o segundo gol da Roma quase em cima da linha, com Handanovic batido. O trabalho defensivo da Inter era importantíssimo para a transição. E o gol da virada nasceu de novo pegando a zaga da Roma desarrumada. João Mario abriu com Ivan Perisic, que passou pela marcação e cruzou. Icardi dominou com liberdade dentro da área, girou sobre a marcação e chutou no contrapé de Alisson. A partir de então, a tentativa de reação dos romanistas pouco surtiu efeito. Alisson seguia salvando seu time, com mais duas boas defesas. Já aos 42, Matías Vecino fechou a conta em um lance parecido. João Mario roubou a bola, arrancou e passou para Perisic. O croata infernizou a vida de Juan Jesus e cruzou para o uruguaio completar.

A vitória significativa da Inter é a primeira contra a Roma no Estádio Olímpico desde 2010/11. Pela Serie A, então, os nerazzurri não triunfavam contra os giallorossi fora de casa desde 2008/09. Não se pode negar que há uma pitada de sorte dos interistas no resultado – diante da irremediável infelicidade romanista. Mas também existem méritos evidentes, especialmente pela maneira como Spalletti mexeu no time e pela voracidade em buscar a virada. Icardi, Perisic e João Mario despontam como protagonistas neste momento, em um elenco que ainda tem lacunas a preencher. De qualquer forma, as possibilidades atuais já foram suficientes para garantir três pontos importantíssimos.