Os dois times não deram tanta importância ao jogo. De qualquer forma, valia taça. River Plate e Sevilla se enfrentaram nesta quinta pela Supercopa Euroamericana, uma espécie de atualização do antigo Mundial Interclubes – ou Copa Intercontinental, ou ainda Copa Toyota, como você preferir. Porém, com a existência do Mundial de Clubes da Fifa, o torneio foi reimaginado como uma “segunda divisão” – sem o mesmo peso, é evidente. O novo formato colocou frente a frente o campeão da Copa Sul-Americana contra o dono da Liga Europa. Melhor para o mistão do River Plate, que venceu um Sevilla também bastante desfalcado dentro do Monumental de Núñez.

VÍDEO: Sabe o goleiro que fingiu desmaio? Ele pegou pênalti e fingiu de novo na comemoração

Com a realização da Data Fifa, nem dava para esperar que os principais destaques de cada time estivessem em campo. Os espanhóis viajaram a Buenos Aires com o que tinham à disposição, enquanto Marcelo Gallardo preferiu dar descanso a alguns de seus principais nomes. Nada suficiente para tirar o título das mãos dos Millonarios, ainda mais dentro de casa. O garoto Juan Cruz Kaproff fez o gol decisivo no triunfo por 1 a 0, já aos 38 do segundo tempo. Após cruzamento de Rodrigo Mora, a promessa desviou com estilo, anotando um belo gol.

Não dá nem para saber se a Supercopa Euroamericana vingará. Esta foi a primeira edição do torneio, realizada pela DirecTV – que não opera mais no Brasil, e talvez não tenha o mesmo interesse se um clube brasileiro conquistar a Copa Sul-Americana. Entretanto, não deixa de ser uma ideia interessante, muito mais do que a Copa Suruga, contra o campeão da Copa do Imperador. Para quem gosta de futebol, um novo campeonato nunca é demais. Só ficaria melhor se os dois times realmente pudesse entrar em campo com os seus melhores jogadores, e não desfalcados pelas seleções. Falta conciliar o calendário e, sobretudo, oficializar o torneio para que isso possa acontecer de um jeito mais fácil.