A seleção brasileira conseguiu uma vitória contra a Itália em um jogo muito difícil em Valenciennes, na terceira rodada da Copa do Mundo. Diante das italianas já classificadas, o Brasil foi melhor o tempo todo e venceu por 1 a 0 em um pênalti controverso. A vitória levou a Seleção a seis pontos, mas não foi suficiente para ficar nos dois primeiros lugares. O resultado do Brasil, combinado com a vitória da Austrália por 4 a 1 sobre a Jamaica, fez com que a Itália ficasse em primeiro, Austrália em segundo e o Brasil em terceiro, pelos critérios de desempate. Com isso, a Seleção terá um adversário peso pesado na próxima fase: França, 1ª do Grupo A, ou Alemanha, 1ª do B. Por um gol, o Brasil terá uma pedreira pela frente.

Primeiros 25 minutos do Brasil

Mais pressionada depois da derrota contra a Austrália, o Brasil veio para o jogo muito ligado. Foram 20 minutos iniciais de domínio da seleção brasileira, chegando ao ataque, mas tendo problemas para transformar a bola em chance de gol. Assim como no jogo anterior contra a Austrália, o time foi bem no primeiro tempo.

Debinha quase marca um golaço

Depois de uma linda jogada pela direita que Debinha deu um lindo drible que fez Elisa Bartoli tomar cartão amarelo, a bola acabou indo para escanteio depois da cobrança. E foi no escanteio cobrado por Marta que Debinha quase marcou um golaço, de letra, exigindo defesa difícil de Laura Giuliani. Foi uma série de escanteio para o Brasil, em um momento de pressão em bolas na área. No último dos quatro, Kathellen cabeceou para fora, chegando na segunda trave.

Susto da Itália

Aos 28 minutos, um lance que deu susto nas brasileiras. Lançamento para o meio, toque de Aurora Galli de cabeça para Cristiana Girelli, que dominou, tirou de Letícia Santos e marcou um golaço. Só que a camisa 10 da Itália estava claramente impedida no lance, algo que foi marcado pela arbitragem.

Mais tarde, aos 39 minutos, a melhor chance da Itália no jogo. Cruzamento para a área e Bonansea se jogou na bola para finalizar. Uma bola perigosíssima, que a goleira Bárbara precisou intervir para evitar o gol e fez uma ótima defesa.

Muitos erros de passe do Brasil

Um dos problemas da Seleção não só neste jogo como na Copa toda é o número alto de erros de passes. Alguns deles, na saída de bola, levam muito, muito perigo ao gol de Bárbara. O Brasil precisa entender o momento de arriscar um passe na defesa, porque os riscos corridos ali podem custar caro. O índice de acerto de passe do Brasil terminou em 75%, o que é baixo. Foram 99 passes errados do time brasileiro. Muita coisa ainda para desenvolver um melhor jogo.

Brasil melhor no segundo tempo

Jogada de ponta direita de Ludmila, que fez a bola correr, foi até a linha de fundo e cruzou à meia altura. Beatriz, que tinha acabado de entrar, tocou de primeira, mas a bola foi para fora. Foi um dos melhores lances. Durante todo o segundo tempo, o Brasil foi muito bem, mas não conseguiu fazer mais gols.

Recorde de Marta

Um lance decisivo para o jogo veio aos 28 minutos. Debinha fez a jogada, entrou na área e Elena Linari se colocou na frente da atacante, que bateu e caiu. A árbitra Lucila Venegas Montes marcou: pênalti. Um lance bastante discutível. Apontada a marca da cal, a camisa 10, Marta, foi para a cobrança. Cobrou com força, cruzado e marcou: Brasil 1 a 0. Foi o 17º gol de Marta em Copas do Mundo, ampliando ainda mais o seu recorde – e superando inclusive a marca do masculino, que era também de 16 gols, de Miroslav Klose.

Andressinha e Debinha bem no jogo

Um dos pontos positivos para o Brasil foi a atuação de Andressinha. A meia, camisa 17, foi muito bem no jogo com passes e uma cobrança de falta na trave. Ela dá uma boa participação ofensiva para o time e pode ter colocado uma pulga atrás da orelha de Vadão – que parece não colocá-la nunca. Debinha, pelas pontas, foi muito bem, criou boas jogadas e foi ela que sofreu o pênalti.

Alemanha ou França como adversária

Com 1 a 0 no placar, a vitória estava vindo, a classificação também, mas o Brasil poderia ter ficado em uma situação muito melhor se tivesse vencido por mais um gol de diferença. Porque assim ultrapassaria a Austrália no saldo de gols e ficaria com o segundo lugar, o que renderia um adversário menos difícil, a Noruega.

Em campo, as jogadoras pareciam não saber que a Austrália tinha feito 4 a 1. Ninguém pareceu avisá-las e elas pareceram surpresas ao fim do jogo. Com o terceiro lugar, o Brasil terá como rival a França, dona da casa, ou a Alemanha, a depender dos resultados até o final da rodada. Dois adversários duríssimos e que exigirão o melhor nível da Seleção.

Ficha técnica

Itália 0x1 Brasil

Local: Stade du Hainaut, em Valenciennes
Árbitra: Lucila Venegas Montes (México)
Gols: Marta aos aos 29’/2T (Brasil)
Cartões amarelos: Elisa Bartoli (Itália), Letícia Santos, Kathellen (Brasil)

Itália: Laura Giuliani; Alia Guagni, Sara Gama, Elena Linari e Elisa Bartoli (Lisa Boattin); Aurora Galli, Manuela Giugliano e Valentina Cernoia; Cristiana Girelli (Ilaria Mauro), Valentina Giacinti (Valentina Bergamaschi) e Barbara Bonansea. Técnica: Milena Bertolini

Brasil: Barbara; Letícia Santos (Poliana), Kathellen, Mônica e Tamires; Thaisa; Ludmila, Andressinha, Marta (Luana) e Debinha; Cristiane (Bia Zaneratto). Técnico: Vadão