Vitória de Guimarães e Porto receberam punições acumuladas de mais de € 27 mil por incidentes na partida entre as duas equipes no dia 16 de fevereiro. As condenações abrangem três situações diferentes: arremesso de cadeiras, uso de pirotecnia (sinalizadores) e os insultos da torcida do Vitória contra Moussa Marega. Reveladoramente, foi justamente este último ponto que rendeu a menor das multas.

A utilização de sinalizadores valeu multa de € 4.017; a deflagração de chamas e outros objetos no setor onde estavam os torcedores do Porto custou ao time organizador do confronto punição de € 3.392; ao lançamento de sinalizadores entre as duas torcidas, multa de € 2.678; ao arremesso de cadeiras, € 7.140; e aos insultos a Marega, atacante do Porto, que ganharam manchetes em todo o mundo? Apenas € 714.

No total das contas, enquanto o Vitória de Guimarães irá desembolsar € 17.941 pelos atos de sua torcida, o Porto terá que pagar € 9.308 pelas ações dos seus seguidores.

Inicialmente, foi noticiado que os € 714 de multa referiam-se aos insultos racistas, mas o jornal A Bola afirmou nesta quinta-feira (4), um dia depois das reportagens iniciais, que esse valor se referia apenas a insultos, não necessariamente racistas. Uma separação estranha, mas que vale ser notada aqui.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol afirmou que está em andamento um processo disciplinar contra o Vitória de Guimarães por causa dos insultos racistas ao jogador, mas essa informação é a mesma que já tínhamos desde o rescaldo imediato do episódio criminoso.

Relembrando o caso, o Porto vencia o Vitória de Guimarães por 2 a 1, fora de casa. O atacante Moussa Marega, autor do gol da vitória, então se cansou dos insultos racistas de que vinha sendo alvo e abandonou a partida na metade do segundo tempo. Foi substituído por Wilson Manafá, mas não sem antes toda a equipe dos Dragões tentar dissuadi-lo da ideia, em vez de se juntar ao companheiro em protesto contra os racistas.

Luis Miguel Branco Godinho, o árbitro do jogo, igualmente pouco fez, sequer seguindo o protocolo estabelecido pela Fifa. Pior, advertiu Marega com um cartão amarelo na comemoração de seu gol por causa da maneira como batia enfaticamente em seu braço esquerdo – o que era, na verdade, uma demonstração de orgulho de sua cor diante da ignobilidade dos torcedores.

A demora de uma resposta enfática da Federação Portuguesa, aliada aos posicionamentos dos clubes envolvidos, seguindo a cartilha do “racismo é ruim e não tem espaço no futebol”, mas sem identificação dos indivíduos perpetradores do crime, já deu ao futebol português uma reputação ruim no trato com o incidente. A revelação dos valores atribuídos a cada uma das infrações, no entanto, leva isso a um novo nível.

A demora na determinação de uma punição ao Vitória de Guimarães e a separação entre insultos racistas e não-racistas coloca reticências sobre Se antes não era possível estimar o nível de gravidade do racismo para as autoridades competentes da federação, agora ele está bem claro: € 714. Ou um décimo da gravidade de arremessos de cadeiras.

Atualização às 11h00 de 04/03/2020: um dia após a revelação da punição, a Federação Portuguesa de Futebol esclareceu, em comunicado publicado pelo jornal Record, que não há relação com os insultos racistas, ainda em investigação. Entretanto, precisamos olhar criticamente para todo o cenário.

“As multas ontem divulgadas pelo Conselho de Disciplina/Seção Profissional resultam de outro tipo de infrações, que nada têm a ver com atos discriminatórios, conforme está devidamente publicado e fundamentado no mapa dos processos sumários (Comunicado Oficial 180) que pode ser consultado no site da FPF e da Liga Portugal.”

O jornal A Bola afirma que a multa de € 714 está ligada a cânticos ofensivos dirigidos a Moussa Marega e também ao goleiro Marchesín.

A distinção feita pela Federação Portuguesa entre insultos gerais e insultos racistas já é estranha, mas vale destacar outro ponto: em sua declaração ao Record, a entidade faz referência ao tal “Comunicado Oficial 180”. Ao entrarmos na página de comunicados da Liga Portugal, no entanto, vemos justamente este comunicado ausente na relação.