Depois de um primeiro tempo sofrido, o Grêmio desencantou e venceu o Liverpool por 3 a 1 no jogo de volta da primeira fase da Libertadores. Vinícius Pacheco, que entrou durante o jogo, foi decisivo no seu primeiro jogo no estádio Olímpico e marcou duas vezes. O resultado classificou o time para a fase de grupos.

Precisando de uma vitória simples ou um empate por 1 a 1 ou 0 a 0, o Grêmio entrou em campo no estádio Olímpico com todo o favoritismo. Contra um adversário que jogava sua primeira Libertadores, o tricolor, bicampeão, tinha o apoio maciço do torcedor.

No começo do jogo, uma confusão. Juan Alvez entrou em campo com a camisa 14, que vinha com o nome de Macchi às costas, mas um deles era Alvez, número 22. O jogo teve que ser paralisado para que aq camisa fosse trocada.

Aos 16 minutos de jogo, o Grêmio perde uma chance claríssima de gol. Lúcio recebeu o lançamenrto nas costas da zaga, o goleiro saiu em cima dele e o camisa 11 deu um tapa na bola, rolando para André Lima, sozinho, sem goleiro, tocar para fora. Chance incrível perdida em Porto Alegre.

Depois desse lance, foi o Liverpool que assustou. Primeiro, em uma cobrança de falta de Maureen Franco, que mandou com perigo e a bola foi direta para Victor. Depois, em um lance rápido de contra-ataque, Emiliano Alfaro bateu com perigo.

Aos 34 minutos de jogo, os uruguaios chegaram ao gol. O Grêmio errou a saída de bola, o Liverpool retomou a bola e Hernan Figueiredo fez ótimo lançamento em profundidade para Alfaro, que recebeu dentro da área e finalizou no ângulo de Victor. Golaço no Olímpico

Não deu nem tempo de lamentar muito. Aos 38 minutos, Fábio Rochenback levantou a bola na área em cobrança de falta e André Lima subiu para mandar de cabeça para o gol. Alívio no estádio Olímpico.

O Liverpool voltou a assustar aos 40 minutos. Cobrança de escanteio do lado esquerdo do ataque do time uruguaio e Macchi subiu de cabeça para tocar com muito perigo pela linha de fundo.

O segundo tempo começou com o Grêmio no campo de ataque o tempo todo. O Liverpool se segurava no campo de defesa, enquanto via o tricolor tocar a bola, tentando encontrar um espaço.

Logo aos nove minutos, Acosta deu uma entrada forte em André Lima, com o pé alto, e o juiz não titubeou: cartão vermelho para o uruguaio. Uma falta desnecessária e infantil.

E não demorou para o Grêmio aproveitar o espaço deixado no meio-campo. Fábio Rochenback tomou a bola no círculo central e avançou para o ataque, tentou o passe, a bola foi dividida e sobrou para Vinícius Pacheco, livre, tocar com calma para as redes de perna esquerda.

Aos 18 minutos, ótima jogada do Grêmio pela direita com o lateral Gabriel, que chegou à linha de fundo e cruzou na cabeça de Douglas, que tocou bem, escolheu o canto, mas a bola tocou no pé da trave e o goleiro tirou.

Os cruzamentos passaram a ser uma arma do Grêmio. Aos 21, Bruno Colaço, que fazia ótima partida, cruzou para Douglas, no meio da área, tocar de cabeça, mas dessa vez sem direção, por cima do gol.

Dominado a posse de bola, o Grêmio tentava matar o jogo, mas esbarrava nos próprios erros de passe, que ainda mantinham o Liverpool respirando na partida.

Até que, aos 28 minutos, em rebote de escanteio, Vinícius Pacheco dominou, ajeitou para o pé esquerdo, que é o bom, e bateu para o gol. A bola bateu na trave e entrou. Um golaço do camisa 7.

O ritmo diminuiu, o Liverpool desanimou em campo, com um a menos e precisando de dois gols. O Grêmio administrou a posse de bola. Renato Gaúcho tirou André Lima e colocou Diego Clementino no jogo.

Douglas teve mais uma chance para marcar aos 38, mas o goleio salvou. O camisa 10 teve espaço apenas para bater de pé direito, mas tocou de bico cdom o pé esquerdo para tentar o gol, mas o goleiro defendeu.

Aos 45 minutos do segundo tempo, Franco levou perigo. Tentou o gol olímpico e a bola tocou o travessão. Em seguida, ele tentou fechado novamente, e levou perigo de novo.

O Grêmio vai para o Grupo 2, junto com Junior, León de Huánuco e Oriente Petrolero.