O Aston Villa, quando foi rebaixado, o fez com estilo. Terminou a Premier League de 2015/16 com 13 partidas sem ganhar, sendo 12 derrotas, o que apenas estendeu o jejum de vitórias do campeão europeu na elite inglesa. A sequência negativa terminou nesta sexta-feira, após três anos e meio. Em um Villa Park em polvorosa, o time da casa derrotou o Everton, por 2 a 0, com gols de Wesley e Anwar El Ghazi.

Os torcedores construíram uma atmosfera digna de uma comemoração de título, desde o começo. Não é para menos. Foi uma longa espera. A última vitória que presenciaram pela Premier League havia sido em fevereiro de 2016, 2 a 0 sobre o Norwich, o último fiapo de esperança antes de embocar para baixo. A atual temporada havia começado fazendo jogo duro contra o Tottenham, apesar da derrota por 3 a 1, e perdendo para o Bournemouth.

.

A vitória foi particularmente especial para Jack Grealish. Ídolo local e líder da equipe, o jogador de 23 anos havia perdido as últimas 20 partidas de Premier League em que entrara em campo. Foi o seu pensamento rápido que abriu a defesa do Everton, que não havia levado gol em cinco das últimas seis rodadas da Premier League. Frederic Guilbert deixou com Jota, que achou um bom passe para Wesley, dentro da área.

O atacante brasileiro de 22 anos que, acredite se quiser, começava a ser questionado, bateu cruzado de primeira para marcar seu primeiro gol no futebol inglês e abrir o placar para o Aston Villa, aos 21 minutos. Até aquele momento, era um jogo dominado pelo Everton, que estava com muitas dificuldades para transformar o volume em chances de gol, e elas persistiram dramaticamente no segundo tempo.

Ao ponto de Marco Silva trocar toda a linha ofensiva, começando pelas entradas de Moise Kean e Alex Iwobi, ao mesmo tempo, aos 17 minutos, nos lugares de Bernard e Sigurdsson, respectivamente. Mais tarde, Theo Walcott entrou no lugar de Richarlison, mantendo apenas o centroavante Dominic Calvert-Lewin em campo, que tem uma função mais de abrir os espaços do que de finalizar neste time do Everton.

A falta de pontaria custou pelo menos um ponto aos visitantes. Foram 12 finalizações e apenas uma acertou o alvo. Iwobi, pelo menos, colocou uma bola na trave, o que foi muito melhor do que Walcott, que simbolizou os problemas do Everton na finalização ao receber, livre, a poucos metros do gol, um cruzamento de Kean pela esquerda. O atacante inglês pegou de primeira com a chapa do pé direito e mandou a bola no lustre. No último ato da partida, El Ghazi invadiu a área pela esquerda e bateu de canhota para decretar o 2 a 0 no placar.

O ataque do Everton tem se mostrado um problema neste começo de temporada em que o clube desejava se candidatar a uma vaga entre os seis primeiros da Premier League. Não marcou contra o Crystal Palace, fez apenas um diante do Watford e precisava de um GPS para encontrar as metas defendidas por Tom Heaton nesta sexta-feira. Enquanto isso, após duas primeiras rodadas complicadas, o Aston Villa mostrou potencial de fazer uma campanha tranquila no seu retorno à elite.

.

.