Desde que se tornou treinador do Nice, Patrick Vieira tem um problema com nome e sobrenome: Mario Balotelli. Ex-capitão do Arsenal e sempre muito influente nos vestiários, o francês de 42 anos contou ao jornal francês L’Equipe que às vezes tem que segurar o impulso de lidar com a questão como faria nos seus tempos de jogador: com um pouco mais de ênfase, digamos assim.

LEIA MAIS: Balotelli ressalta que novo técnico Patrick Vieira foi crucial para sua permanência no Nice

“Sobre Mario, eu quero respondê-lo, ou simplesmente encostá-lo na parede ou deixá-lo pendurado pela gola da camisa do cabide do armário, mas não posso porque não sou mais um jogador”, disse Vieira. “Tenho que pensar duas vezes antes de dizer qualquer coisa porque pode ter um impacto e eu corro o risco de perder um grande jogador. Não quero dizer nada que eu vá me arrepender. Estou tentando ser construtivo em meus comentários para ele”.

Nas primeiras semanas de Vieira no Nice, houve indefinição sobre a permanência de Balotelli, diante do interesse do Olympique Marseille. Ele se reapresentou atrasado para a pré-temporada e acima do peso.  Entre bastidores e especulações de mau comportamento, o fato é que Balotelli não tem jogado bem. Entrou em campo dez vezes nesta temporada da Ligue 1 e ainda não colocou uma bola na rede. Contraste forte com a campanha passada, quando anotou 26 tentos em 38 partidas com a camisa do Nice, que é o sétimo colocado do Francês.

“Ele perdeu a preparação, sua cabeça estava em outro lugar. Ele voltou em um estado físico que não era o mesmo de maio, e isso não se recupera da noite para o dia porque você não joga contra times ruins todo fim de semana”, afirmou Vieira, que ainda acredita que Balotelli pode ser essencial para o seu time.

“Um time como o Nice não pode perder um (Allan) Saint-Maximin ou Balotelli. Se eu tiver que explicar para eles 20 vezes, vou explicar 20 vezes, porque tenho essa paciência”, disse. “Balotelli não esperava estar sem nenhum gol. Ele pensou que, mesmo com uma única perna, ele teria marcado mais. Mas o futebol continua sendo um esporte de alto nível. Há um mínimo necessário para ser competitivo”.