Mais do que um marco esportivo, o Ronaldo que explodiu como Fenômeno é um símbolo cultural dos anos 1990. Olhando para trás, o garoto espetacular com a bola nos pés parece se casar perfeitamente com a mentalidade da época. Como tantas obras de ficção, tinha um quê futurista. Era o craque que até parecia produzido em laboratório, combinando na medida exata força física e habilidade. Rompeu barreiras dentro de campo, assim como em outras áreas, do marketing às finanças. Ajudou a apresentar o futebol a uma nova era, seja por aquilo que produzia nos jogos ou por todos os efeitos em consequência de suas atuações espetaculares.

Quando arrancava com a bola dominada, Ronaldo dava a certeza em cada um que o assistia que, ao menos, um lance perigoso nasceria. Ou que os marcadores ficariam desnorteados. Ou que o campo se transformaria no quintal de sua casa, tamanha facilidade para partir de um canto a outro. Ou que tudo isso se juntaria numa jogada magistral, terminando no destino manifesto daquelas cenas que se impregnam nas lembranças: as redes. Assim, foram muitos e muitos golaços do Fenômeno em seu auge físico.

As lesões e o tempo, pouco a pouco, diminuíram a potência de Ronaldo. Com o passar dos anos, o craque se adaptou à nova realidade de seu corpo, mas sem nunca perder a habilidade. O ápice físico, de qualquer forma, ainda impressiona. Não são poucos que apontam aquela fase no fim dos anos 1990, especialmente entre Barcelona e Internazionale, como o protótipo do atacante perfeito. O camisa 9 passava por todos quando queria. E, mais impressionante ainda, como queria. Deixou uma porção de jogadaças no imaginário de quem vê e de quem faz o futebol, com diversos fãs que também se transformaram em lendas. Que tinham uma inspiração em Ronaldo.

Nesta sexta, Ronaldo completa 41 anos. Fica a deixa para relembrar suas arrancadas alucinantes: