Marco Verratti é um volante que se destaca pelo bom passe. Qualifica a construção da jogada desde o campo de defesa e, se tiver que escolher entre sofrer um gol ou dar um chutão sem sentido, prefere a primeira alternativa, como afirmou em entrevista à RMC Sport, da França, onde atua pelo Paris Saint-Germain.

“Eu prefiro sofrer um gol do que chutar a bola para frente sem uma ideia clara de para quem eu a estou passando. Eu simplesmente odeio isso. Não consigo fazer e não quero fazer”, disse. “Acredito que se você criar um pouco de espaço, você consegue fazer um bom passe. A melhor maneira de fazer isso é constantemente olhar em volta e ver onde estão meus companheiros. Quando a bola chega, eu já sei o que preciso fazer. Ajuda a pensar e agir mais rápido, seguir meu instinto”.

“O fato de eu ser bem pequeno ajuda, porque eu posso girar rapidamente e proteger a bola, mas estou sempre procurando espaços para colocar o passe por trás dos defensores. O futebol de hoje em dia é muito físico e pode não ser espetacular de vez em quando, mas mantenho que, se um time joga um bom futebol, tem melhor chance de ganhar o jogo. Você pode jogar mal e ganhar algumas vezes, mas não em longo prazo”, completou.

Verratti sabe que, apesar de seu ótimo passe, um meia precisa fazer gols para se destacar como um dos melhores jogadores do mundo. O jogador de 26 anos tem apenas nove gols em 288 partidas pelo Paris Saint Germain. Fez mais dois em 78 jogos pelo Pescara. “Não sou o Roberto Carlos, mas tenho um bom chute. Às vezes, eu não penso que é a melhor coisa a fazer e prefiro passar a um companheiro em melhor posição porque ele tem mais chance de marcar do que eu a 30 metros de distância. Não é minha principal função, mas as pessoas me dizem que preciso fazer mais gols e gostaria de encontrar a rede com um pouco mais de frequência”, disse.

Verratti encerrou dizendo que acreditar um talento natural para jogar futebol. “É difícil explicar. Eu apenas acho que algumas pessoas nascem para jogar futebol, então seus pés começam a fazer as coisas sozinhos. Você pode pensar que sou louco por dizer isso, mas às vezes eu nem mesmo percebo o que estou fazendo”, disse.