Em uma Itália que carece de grandes nomes do meio para frente, Marco Verratti desponta como o grande talento da seleção. E por mais que a campanha na Euro 2016 tenha superado as expectativas, não dá para negar que a qualidade técnica do volante fez falta. Após voltar de lesão, o camisa 10 disputou seu primeiro jogo como titular pela equipe nacional em 11 meses. Permaneceu os 90 minutos em campo, o que não conseguia desde fevereiro. E demonstrou todos os seus predicados ao reger os companheiros na importante (mas suada) vitória sobre Israel por 3 a 1, na estreia pelas Eliminatórias da Copa de 2018.

VEJA TAMBÉM: Kosovo fez seu primeiro jogo oficial, e garantiu o orgulho de seu povo ao arrancar um empate

Sob as ordens de Giampiero Ventura, Verratti assumiu o papel de maestro da Itália. Atuou centralizado no meio de campo, em uma função semelhante à tradicionalmente desempenhada por Pirlo no 3-5-2 da Azzurra. Parolo e Bonaventura ofereciam vigor ao camisa 10 na faixa central. Enquanto isso, o time orbitava ao redor de seus passes. Participativo, o volante iniciava a maioria das jogadas de ataque. E a partir de uma arrancada sua que nasceu o primeiro tento italiano, com Antonelli cruzando para Graziano Pellè balançar as redes. Já aos 31, Candreva ampliou cobrando pênalti.

Não foi, no entanto, um jogo fácil para a Itália. Tal Ben Chaim descontou aos 35, com um golaço. O atacante percebeu Buffon adiantado e deu um lindo toque por cobertura, de fora da área. Durante o segundo tempo, os israelenses pressionavam e só não empataram pelas defesas salvadoras do veterano. Para piorar, Chiellini levou o segundo amarelo logo aos 10 minutos da etapa complementar, botando pressão nos visitantes. A tranquilidade só veio aos 38, em tiro de meta cobrado por Buffon que Pellè desviou de cabeça e Immobile ficou com o caminho livre para fechar a conta, anotando o terceiro.

Na saída de campo, o técnico Ventura elogiou o seu novo protagonista: “Eu não vou dizer que nosso jogo foi perfeito, porque tomamos um gol parecido ao do amistoso contra a França. Trabalhamos como um time, sofremos como um time e ganhamos como um time. Disseram que Verratti não poderia jogar na posição em que atuou, mas ele se provou como um atleta de grande valor. Ele estava longe do time há tempos e mostrou o quão importante é para o time”. Resultado importante para revigorar o moral italiano, após a derrota contra os franceses na última quinta. Na próxima rodada, a Itália já terá um jogo decisivo pelas Eliminatórias, recebendo a Espanha em Turim.