Vejam só: Suárez achava que não se encaixaria no Barcelona

Antes de chegar ao Barça, o uruguaio tinha medo de não se adaptar ao tiki-taka do time

É meio difícil imaginar um Barcelona em que Luis Suárez não é um dos protagonistas. Isso porque o uruguaio já chegou ao clube, na temporada passada, a todo vapor. Desde então, ele não dá motivos para desapontar o técnico Luis Enrique. Depois de uma campanha de estreia impecável, em que ganhou a segunda tríplice coroa da história dos culés, Suárez é, nesta temporada, o maior responsável pelas redes balançadas dos adversários do Barça, além de ser o maior garçom da equipe. Mas ele não contava com tamanho sucesso antes de chegar à Espanha. Aliás, o atacante pensava que o oposto fosse acontecer: que não fosse se encaixar ao estilo de jogo do Barcelona. Quem diria que o artilheiro do time que defende e do Campeonato Espanhol na atualidade tinha receio de não se adaptar no clube catalão?

LEIA TAMBÉM: Quinze histórias que só poderiam ter acontecido nos nossos estaduais

Em entrevista à ESPN, o uruguaio confessou que não imaginava que iria marcar tantas vezes pelo Barcelona. Ao todo, ele soma 50 gols em 46 partidas que disputou nesta temporada. “O time inteiro merece os créditos pelos meus gols. Agora meus companheiros de equipe passam mais ainda a bola para mim, porque sabem que luto para terminar o campeonato como artilheiro”, afirmou o jogador. No momento, Suárez está no topo da artilharia de La Liga, com 37 gols, quatro a mais que o segundo colocado Cristiano Ronaldo. “Messi e Neymar me dão a bola para bater os pênaltis. Isso mostra que o time vê que eu sou capaz de ir além do que fiz nos últimos jogos e eles querem que eu marque”.

O camisa 9 também contou que nunca sentiu que poderia se adaptar ao estilo de jogo em que se valoriza a posse de bola, passes curtos e muita movimentação, bem diferente ao que estava habituado a fazer no Liverpool. “Às vezes o time começa a tocar a bola e eu penso que não consigo fazer isso, que eles vão jogar dessa forma e eu só vou ser capaz de empurrar a bola pro fundo do gol”, disse. A verdade é que não era só ele que pensava que isso poderia ocorrer. Por ser um jogador individualista indo para um time que joga mais pelo coletivo, sua chegada ao Barcelona gerou muita discussão acerca do que poderia ser um fracasso na carreira do uruguaio. Foi questionado até mesmo o espaço do atacante no clube, assim como aconteceu com Neymar, que poderia ser ofuscado pela função semelhante que Messi exerce (uma vez que ambos são jogadores de definição).

Mesmo com todos seus dias de glória na Catalunha, Suárez quase viu o Barcelona indo do céu ao inferno nesta temporada. Após uma sequência de quase 40 partidas sem conhecer o gosto da derrota, o Barça enfrentou uma série de seis jogos com apenas uma vitória, fato que culminou na eliminação dos culés na Champions League e abalou a liderança da equipe catalã no Campeonato Espanhol. “Em fevereiro, as pessoas diziam que a Liga era praticamente nossa e que nós iriamos longe na Champions League, mas aí nós começamos a perder, perdemos nossa liderança “folgada” e deu no que deu. Isso é o futebol, e a coisa mais incrível sobre ele é que até que você ganhe, você não pode comemorar, porque tudo pode acontecer durante o caminho”, desabafou.

O foco do atacante agora é terminar o campeonato nacional como artilheiro e ajudar seu time a conquistar o 24º título de La Liga. No sábado, o Barcelona enfrenta o Granada, fora de casa, pela última rodada da competição. “Ganhar o campeonato agora só depende de nós e estamos extremamente atentos a essa partida, porque vencê-lo é o nosso principal objetivo desde o início da temporada”, comentou Suárez. A briga pela título fica entre o Barcelona e o Real Madrid, que só levantará a taça caso os culés tropecem. O time madrilenho também vai enfrentar um adversário que jogará para cumprir tabela, o La Coruña. Inclusive, é o time que o Barcelona goleou por 8 a 0 há algumas rodadas, na partida em que Suárez se firmou como o primeiro jogador da história de La Liga a participar de sete gols em uma única partida (foram quatro gols e três assistências).