A quarta amanheceu quente em Zurique. Logo nas primeiras horas do dia, a polícia suíça entrou no congresso da Fifa para prender diversos dirigentes – entre os quais José Maria Marin, ex-presidente da CBF, e Nicolás Leoz, ex-presidente da Conmebol – a pedido da Justiça dos Estados Unidos. As acusações são diversos esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro da entidade nos últimos 20 anos, o que inclui o processo de escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022.

VEJA MAIS: Patrocinadores da Copa 2022 têm seus logos recriados para criticar apoio ao trabalho escravo

Os cartolas detidos são ligados à Conmebol e à Concacaf. Joseph Blatter não foi indiciado, mas a previsão é de que as prisões tenham um impacto grande nas eleições presidenciais da entidade, programadas para esta sexta. O suíço é favorito a sua quarta reeleição diante da concorrência de Ali bin Al-Hussein, príncipe da Jordânia.

As autoridades não haviam divulgado a lista de dirigentes detidos, mas o jornal New York Times divulgou uma relação com base em informações que seus repórteres teriam apurado dentro das autoridades suíças.

José Maria Marin – brasileiro, ex-governador de São Paulo 1982-83), ex-presidente da CBF (2012-15) e ex-presidente do Comitê Organizador da Copa 2014;

Nicolás Leoz – paraguaio, ex-presidente da federação paraguaia (1971-73 e 1979-85), ex-presidente da Conmebol (1986-2013) e membro do Comitê Executivo da Fifa de 1998 a 2013;

Eugenio Figueredo – uruguaio, ex-presidente da federação uruguaia (1997-2006) e ex-presidente da Conmebol (2013-14);

Jack Warner – trinitário, ex-presidente da Concacaf (1990-2011)

Jeffrey Webb – caimanês, presidente da federação das Ilhas Cayman (desde 1991) e presidente da Concacaf (desde 2012)

Eduardo Li – costarriquenho, presidente da federação costarriquenha (desde 2007) e representante da Concacaf na Fifa

Julio Rocha – nicaraguense, ex-presidente da federação nicaraguense (1988-2012)

Costas Takkas – caimanês, secretário-geral da federação caimanesa

Rafael Esquivel – espanhol, presidente da federação venezuelana (desde 1988)

LEIA MAIS SOBRE O FIFAGATE:

– Quem são os “co-conspiradores” na investigação do FBI sobre corrupção na Fifa
– De dono do futebol brasileiro a delator: a ascensão e queda de J. Hawilla
– [Vídeo] Romário: “Muitos dos corruptos e ladrões que fazem mal ao futebol foram presos”
– Entenda por que os Estados Unidos foram responsáveis pela prisão de dirigentes da Fifa
– Veja quem são os cartolas presos na Suíça. José Maria Marin está entre eles
– Patrocinadores da Copa 2022 têm seus logos recriados para criticar apoio ao trabalho escravo
– Entenda por que o relatório da Fifa que inocentou a candidatura do Catar-2022 é cara de pau
– O que a confusão nos direitos de TV da Copa nos EUA diz sobre a mudança da Copa-2022