O Real Madrid foi derrotado pela terceira vez em nove jogos no Campeonato Espanhol. Diante do Levante, em pleno estádio Santiago Bernabéu, o time perdeu por 2 a 1, em uma partida que foi bastante influenciada pelo uso do VAR, o árbitro assistente de vídeo. Em um jogo que precisou de muitas intervenções da arbitragem, o uso do VAR foi perfeito e deu, assim, mais justiça ao jogo. E mais do que isso: mostra um Real Madrid jogando muito pouco e, assim, o seu técnico está cada vez mais pressionado.

LEIA TAMBÉM: Modric: “Sempre haverá espaço ao talento e à técnica, o futebol é jogado com a mente”

A volta da data Fifa é sempre um problema para times como o Real Madrid, com grande parte do seu elenco viajando para atuar por suas seleções. Isso, porém, não costuma ser um grande problema, ao mesmo tempo, porque o elenco é tão farto que dá para escolher entre aqueles em melhor condição física. Tudo isso para dizer: era difícil imaginar que o Levante causaria tantos problemas ao Real Madrid em tão pouco tempo.

Para começar, foram dois gols, um placar de 2 a 0 antes dos 15 minutos do primeiro tempo. Logo aos sete minutos, em um lançamento longo de Sergio Postigo e José Luis Morales recebeu, aproveitando bobeira de Raphäel Varane, tirou de Thibaut Courtois e marcou. O surpreendente levante abria o marcador em um jogo que o Real Madrid pareceu entrar dormindo.

Depois, aos 13 minutos, novamente Varane esteve envolvido no lance. A bola pipocou na frente do zagueiro madridista, que tocou com a mão irresponsavelmente na bola. O árbitro marcou falta, mas fora da área. O VAR alertou o árbitro que o lance foi dentro da área. O que era falta virou pênalti. O pênalti virou gol: Roger Marti cobrou, Courtois ainda resvalou na bola, mas ela entrou mesmo assim.

Com 2 a 0 de desvantagem, o Real Madrid pareceu que finalmente tomou um balde de água fria no rosto e acordou para o jogo. Só que havia uma certa ansiedade em tentar o gol que atrapalhava a equipe. E o Real Madrid chegou a diminuir o placar, com um gol de Asensio. Sergio Ramos cabeceou bem em escanteio, a bola bateu no travessão, no chão e Asensio foi quem colocou a bola na rede, mas estava impedido. O árbitro tinha marcado o gol inicialmente, mas depois da revisão do VAR, foi anulado, corretamente.

Mariano, titular no lugar de Karim Benzema no jogo, acertou uma cabeçada no travessão, aos 34 minutos. Na volta, Casemiro foi quem chutou e obrigou o goleiro a fazer boa defesa. O Levante chegou a assustar, e muito. Aos 43 minutos, contra-ataque e gol, marcado por Rúben Rochina, em cruzamento rasteiro de Toño. O árbitro anulou, após revisão do VAR, por impedimento, no início da jogada.

O gol não saía e o primeiro tempo acabou mesmo com o Levante à frente no placar por 2 a 0. O desespero, claro, aumentou. A pressão também. O técnico Julen Lopetegui sabia que o time precisava fazer mais.

Mariano Díaz lamenta, com Sergio Ramos ao fundo (Foto: Denis Doyle/Getty Images)

No segundo tempo, ultrapassou o seu recorde histórico de tempo sem marcar gols. A seca chegou a oito horas e um minuto. Um número enorme para um time como o Real Madrid. O time pressionava e fez mudanças para tentar chegar lá. No intervalo, o treinador já tirou o lateral direito Álvaro Odriozola e colocou Gareth Bale, deslocando Lucas Vázquez para a lateral direita. Depois, fez mais duas alterações: tirou Asensio e Isco e colocou Benzema e Dani Ceballos.

Aos 26 minutos, o jejum de gols acabou. Depois de cruzamento, Bale ajeitou de cabeça, Benzema dominou, no lado esquerdo, e ajeitou para Marcelo, que dominou dentro da área e, de pé direito, encheu o pé para marcar e diminuir o placar para 2 a 1 em favor do Levante. Logo depois, o Real Madrid quase empatou. Aos 31 minutos, Benzema fez a finta na marcação e chutou colocado, mas a bola explodiu no travessão. Nada de gol.

O Levante passou a se defender muito mais e, claro, abriu mão de pressionar lá no ataque. Viu o Real Madrid ocupar o seu campo defensivo, tentando segurar uma vitória improvável. Mesmo assim, ainda teve chance de ampliar o placar com Morales, mais uma vez, mas desta vez ele errou.

O Real Madrid tentou, é verdade, mas passou longe de ser eficaz. Mesmo assim, foram 32 chutes a gol do Real Madrid, com 12 deles no alvo. Só Benzema, que entrou no segundo tempo, chutou quatro vezes a gol, assim como Mariano Díaz e, curiosamente, Casemiro. O Real Madrid tentou, mas não conseguiu.

Com isso, a campanha do time merengue é muito ruim no Campeonato Espanhol, considerando o que fez nos últimos anos. Em nove jogos, quatro vitórias, dois empates e três derrotas. A posição de Lopetegui fica cada vez mais ameaçada. O resultado foi ruim, mas além disso, o futebol apresentado parece insuficiente para um time campeão europeu.