O último jogo de Louis van Gaal como técnico de futebol foi a final da Copa da Inglaterra de 2016, quando conquistou seu único título pelo Manchester United. Logo em seguida, foi trocado por José Mourinho e entrou em um limbo no qual estava aparentemente aposentado, mas ainda dava declarações de que poderia ser atraído a descalçar as pantufas por um bom projeto. No entanto, em entrevista à rede de televisão VTBL, o experiente profissional de 67 anos confirmou que nunca mais assumirá um cargo, seja como treinador, seja como diretor.

LEIA MAIS: Van Gaal: “No Bayern, o futebol é o mais importante; no United, o dinheiro”

Em março do ano passado, Van Gaal havia revelado que recebera propostas de times que disputariam a Copa do Mundo da Rússia e quase três dezenas de milhões de euros para trabalhar na China. Recusou todas, mas disse que “não descartava ser treinador novamente”, se houvesse um projeto interessante. Aparentemente, cansou de esperar e decidiu que, depois de décadas na estrada, estava na hora de se concentrar na sua família.

“Agora, eu sou um pensionista”, disse. “Não tenho ambição de ser diretor técnico ou comentarista de televisão. Minha esposa Truus abandonou seu emprego 22 anos atrás por mim e me seguiu para onde fui. Eu lhe disse que não seria mais treinador quando fizesse 55 anos, mas continuei até os 65. Ela tem o direito de ter uma vida comigo fora do futebol. Posso dizer que ela está muito feliz”. Caso você entenda holandês, aí está:

Treinador desde a década de noventa, Van Gaal alcançou grandes feitos por onde passou. Na Holanda, comandou o Ajax campeão europeu de 1995/96 e quebrou o jejum de títulos de 28 anos do AZ Alkmaar. Na Espanha, foi bicampeão espanhol, e, na Alemanha, bateu à porta da Tríplice Coroa com o Bayern de Munique, derrotado na final da Champions League pela Internazionale de Mourinho.

Também conduziu a seleção holandesa ao terceiro lugar da Copa do Mundo de 2014 e foi escolhido pela diretoria do Manchester United como o nome forte que o clube precisava, depois da aposentadoria de Alex Ferguson e do fracasso de David Moyes. Não brilhou em Old Trafford, com dois anos de futebol insosso, mas reconduziu o time à Champions League e conquistou a Copa da Inglaterra.

Mais do que os troféus, o grande marco da carreira de Van Gaal foi o trabalho com os jovens. Em 2015, um levantamento da ESPN britânica mostrava que ele promoveu, em média, 2,75 estreias de jogadores por temporadas, o que o colocava abaixo apenas de Pep Guardiola naquela época e em anos anteriores, entre os principais treinadores do mundo.

Entre os nomes aos quais deu as primeiras chances, estão Edgar Davids, Clarence Seedorf, Patrick Kluivert, Xavi, Iniesta, Thomas Müller, David Alaba e, mais recentemente, Marcus Rashford. Uma lista que apenas reforça o grande legado que o holandês deixou para o futebol. Resgatamos esta galeria de 2016 com dez nomes que Van Gaal ajudou a revelar.