O Liverpool é um time de inegável postura ofensiva, mas ganhou a Liga dos Campeões graças ao seu trabalho sem a bola. E o principal salto de qualidade dado pelo time de Jürgen Klopp nos últimos meses foi proporcionado por Virgil van Dijk. O zagueiro holandês não apenas acertou a linha de zaga, compondo uma dupla sólida com Joel Matip, mas também se transformou no melhor jogador da equipe. Nesta temporada vitoriosa, nem Sadio Mané ou Mohamed Salah foram mais preponderantes que o defensor. Um reconhecimento que veio de maneira expressa na decisão da Champions: após a partidaça no Metropolitano, Van Dijk merecidamente recebeu o prêmio de melhor em campo na final.

O sucesso do Liverpool e o protagonismo de Van Dijk o elevam como candidato à Bola de Ouro. Historicamente, o melhor jogador do time vencedor da Champions se coloca entre os finalistas. Que a lógica da condecoração tenha mudado nos últimos anos, seja pelo novo sistema de votação, seja pela supremacia de Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, o holandês deveria ao menos aparecer entre os primeiros colocados. Talento não falta, também por aquilo que jogou na Premier League, eleito o melhor do campeonato pela associação de futebolistas. Mas, questionado sobre o assunto, mantém a humildade. Para ele, o melhor é Messi.

“Penso que Messi é o melhor jogador do mundo. Ele deveria ganhar a Bola de Ouro. Não estou pensando nisso. Se eu ganhar, obviamente vou aceitar, mas acho que Messi deveria vencer. Ele é o melhor do mundo, esteja na final da Champions ou não”, declarou o zagueiro após a partida, enquanto recebia o prêmio de melhor em campo. Neste século, somente dois zagueiros apareceram no pódio da Bola de Ouro: Fabio Cannavaro, o vencedor de 2006, e Paolo Maldini, terceiro colocado em 2003.

Além do que se nota em campo, Van Dijk referenda sua boa forma pelas estatísticas. O zagueiro não é driblado há 64 jogos pelo Liverpool, conforme os números da Opta. E essa capacidade incrível se tornou essencial aos Reds na final, especialmente no desarme cirúrgico sobre Son Heung-min no segundo tempo. O porte físico avantajado facilita o trabalho de Van Dijk, mas ele adiciona a isso uma qualidade técnica acima do comum e uma disciplina notável. É um zagueiro que visa sempre a bola e que, por isso mesmo, valoriza ainda mais seu jogo.

E, aos 27 anos, Van Dijk projeta mais com esse Liverpool. O zagueiro avalia que o elenco pode crescer nas próximas temporadas, visando o fim do jejum na Premier League. Para ele, dá para repetir o ritmo visto na última campanha e desafiar outra vez o Manchester City de Pep Guardiola.

“Deveríamos estar famintos. A temporada terminou hoje, com a Liga dos Campeões. Em julho tudo começa do zero e vamos tentar conquistar tudo de novo. Nós vimos nesta temporada que ainda temos muito a construir. Precisamos desafiar o Manchester City novamente. Somos ambiciosos e queremos este tipo de noite mais algumas vezes por ano”, afirmou.

Van Dijk terá a chance de erguer mais uma taça nesta semana. Ele capitaneará a Holanda na Liga das Nações, compondo uma outra parceria excepcional no miolo de zaga: Matthijs de Ligt é o seu companheiro. Sem dúvidas, a Oranje conta com a fortaleza de sua defesa para sonhar com seu primeiro título internacional desde 1988.