O Valencia conquistou nesta quarta-feira a Copa do Rei, ao vencer o Getafe por 3 a 1, no estádio Vicente Calderón, em Madri. Os Ches chegam ao sétimo título da competição, o primeiro desde 1999, e dão uma nota positiva a uma das piores temporadas da história recente do clube. A equipe ocupa apenas a 15ª posição no Campeonato Espanhol, cinco pontos acima da zona de rebaixamento.

O início do Valencia foi arrasador. Logo aos 4 minutos, David Silva foi à linha de fundo pela esquerda e cruzou na medida para Juan Manuel Mata concluir de cabeça, fazendo 1 a 0. Aos 11, Silva bateu escanteio e o zagueiro Alexis, ex-Getafe, apareceu livre para cabecear para as redes.

O Getafe levou algum tempo para se recuperar do golpe, mas esquentou o jogo no último minuto do primeiro tempo, quando Cosmin Contra sofreu pênalti de Emiliano Moretti. Esteban Granero cobrou e descontou para os Azulones.

Na segunda etapa, o Getafe pressionou em busca do empate. Granero acertou o travessão aos 16 minutos, chutando de pé direito. Aos 24, Rubén de la Red cabeceou com perigo, mas o goleiro Timo Hildebrand estava atento. As esperanças, no entanto, se esvairam aos 38 minutos, quando Fernando Morientes fez 3 a 1.

Morientes, que havia entrado no lugar de David Villa, mostrou oportunismo para aproveitar uma falha do goleiro argentino Óscar Ustari, que não segurou o chute forte de Rubén Baraja e permitiu ao atacante do Valencia completar de cabeça. O Getafe ainda teve o suíço Fabio Celestini expulso.

O título, que deve dar sobrevida ao técnico holandês Ronald Koeman, garante a vaga do Valencia na próxima Copa Uefa. O Getafe, 12º colocado no campeonato, fez uma boa campanha na competição européia nesta temporada – caiu nas quartas-de-final contra o Bayern de Munique -, mas perdeu sua melhor chance de retornar. No campeonato, o time de Michael Laudrup é o 12º colocado.