A Associação Uruguaia de Futebol decidiu nesta terça manter a paralisação do torneio Clausura por questões de segurança. No último sábado, um torcedor do Cerro foi morto em conseqüência de atos de violência.

Hector Hugo da Cunha, de 35 anos, estava com a mulher e o filho em um ponto de ônibus próximo ao estádio Centenário. Um grupo com cerca de 20 torcedores do Peñarol se aproximou dele e começou a agredi-lo e esfaqueá-lo. Depois do espancamento, eles tiraram o boné do Cerro que a vítima usava. Cunha, que trabalhava em uma cooperativa de transporte público, foi enterrado na segunda.

No mesmo dia, Germán Theoduloz, de 17 anos e torcedor do Peñarol, foi atacado em outro ponto de Montevidéu. Ele foi atingido por uma pedrada na cabeça e uma facada, mas está fora de perigo.

A polícia busca os agressores nos dois casos. As autoridades detiveram dez pessoas suspeitas do assassinato de Cunha e seguem na busca de outros envolvidos. Na partida, válida pela quarta rodada do Clausura, o Peñarol derrotou o Cerro por 1 a 0.

“Não se jogará futebol porque não estão dadas as garantias e as condições necessárias para o momento. Vamos parar até que possamos jogar em uma atmosfera de calma e segurança máxima”, disse Eugenio Figueiredo, presidente da AUF.