Uruguai e Chile precisam se afirmar ou conviver com a negativa

Seleções entram pressionadas pela vitória na rodada das eliminatórias e precisam comprovar dentro de campo a tradição e favoritismo que os acompanham

Será com um misto de angústia, ansiedade e esperança que os torcedores uruguaios e chilenos assistirão às suas seleções nesta sexta-feira pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2014. Na quinta e sexta posições, respectivamente, Uruguai e Chile precisam reagir no torneio se não quiserem correr o risco da repescagem. Mais que isso, precisam reagir para atestar uma superioridade que parecia clara antes do início do campeonato e que agora já é bastante questionada. Vale lembrar: em uma eliminatória sem o Brasil e com o histórico recente, uruguaios e chilenos deveriam nadar de braçada como segunda e terceira forças do continente.

Em Lima, no Peru, os hinchas da Roja esperam que o recém-chegado Jorge Sampaoli seja capaz de resgatar o futebol de protagonismo empregado e apregoado durante a Era Bielsa. Com Cláudio Borghi o Chile ficou no meio termo entre o pragmatismo e a força ofensiva e acabou patinando nos inúmeros atos de indisciplina e comportamento rígido de seu treinador. Agora não. Sampaoli tem feito viagens e se reunido constantemente com os atletas do país a fim de dar gênese a uma seleção mais comprometida com a causa. Somente com um time aplicado na marcação e movimentação o ex-técnico da Universidad de Chile conseguirá reviver o bielsista 3-3-1-3 que transformou a Roja de coitadinha em equipe capaz de lutar de igual para igual com os rivais.

Para esta primeira partida contra os peruanos Sampaoli não terá os enganches Mathias Fernández e Jorge Valdívia, o que deve motivar a escalação de um meio mais pegador com Medel e Carmona e uma maior liberdade para Charles Aránguiz. Na frente a aposta será na velocidade e movimentação do trio Eduardo Vargas, Aléxis Sánchez e Jean Beausejour. Por mais precipitado que seja, a verdade é que esta primeira impressão do novo Chile é a que vai ficar. Se tiver dificuldades, La Roja também vai ter pressão em seus domínios contra o próximo adversário: justamente o Uruguai de Óscar Tabárez.

El Maestro convive com a pressão desde meados do ano passado, quando o Uruguai fracassou rotundamente nos Jogos Olímpicos com uma ótima geração reforçada por Cavani e Suárez. Dali em diante os uruguaios só conheceram dissabores protagonizados pelo empate por 1 a 1 com o Equador em casa e as derrotas por 4 a 0 para a Colômbia, 3 a 0 para a Argentina e 4 a 1 para a Bolívia.

É seguro dizer que Tabárez nunca esteve tão em risco quanto agora. Até por isso, chama a atenção a ideia de El Maestro de deixar no banco Edinson Cavani, artilheiro do campeonato italiano, para promover o retorno aos titulares de Diego Forlán, que milita no fraco campeonato gaúcho. O adversário desta sexta-feira é o lanterna Paraguai, mas há muitas dúvidas sobre o potencial da Celeste de propor o jogo contra uma albiroja que deve vir fechada.

Depois de abandonar a ideia de três zagueiros nos últimos tempos, Tabárez parece ter voltado à carga. A provável escalação para o confronto contra o Paraguai traz um 4-4-2 em duas linhas com Tata González e Cebolla Rodríguez pelos lados e Russo Pérez e Lodeiro pelo centro do meio de campo. No entanto, há a possibilidade de a linha de trás ser falsa, já que Palito Pereira pode avançar mais se for o caso. No ataque a esperança é que Suárez e Forlán aproveitem algum lampejo de criatividade de Lodeiro para marcar.

Após esta, restarão mais sete rodadas até o fim das eliminatórias. É tempo o suficiente para reverter uma situação ruim. O que pode pesar, no entanto, é a sensação de que nem uruguaios e nem chilenos estão avançando e que todo o caminho traçado desde 2010 pode ir por água abaixo em 2014. É uma rodada para afirmações, mas bem pode ser de negativas. Até porque, na próxima terça-feira um dos dois terá que sair vencedor para se consolidar como candidato a grandes feitos.

Mais eliminatórias

– Além de Uruguai x Paraguai e Peru x Chile, também jogam nesta sexta Colômbia x Bolívia e Argentina x Venezuela.

– Na terça-feira que vem teremos Bolívia x Argentina, Equador x Paraguai, Chile x Uruguai, Venezuela x Colômbia.

Uruguaias

– Passadas quatro rodadas, três times lideram o Clausura 2013 do Uruguai com nove pontos. O El Tanque Sisley perdeu por 1 a 0 para o River Plate, mas ainda lidera. Quem vem logo atrás é o Danubio, que fez 2 a 1 no Juventud, e o Progreso, vencedor do confronto contra o Defensor Sporting.

– O Peñarol empatou por 1 a 1 com o Cerro e é o quarto. Já o Nacional ficou no 2 a 2 com o Fénix e ocupa a 11ª posição.

Chilenas

– No Transición chileno a Unión Española fez 5 a 0 no Everton e manteve a dianteira, com 19 pontos em oito jogos. O O’Higgins é o segundo, com a mesma pontuação, depois de fazer 2 a 1 no San Marcos de Arica. A Universidad Católica aparece na terceira posição com 16 pontos depois de fazer 2 a 1 no Huachipato. A Universidad de Chile também venceu – 3 a 2 na Unión La Calera – e ocupa o quarto lugar, também com 16 pontos.

– O Colo-Colo ficou no 1 a 1 com o Ñublense e é o décimo, com 11 pontos.

Colombianas

No Apertura colombiano o Santa Fe fez 3 a 2 no Junior de Barranquilla e chegou a 17 pontos em oito rodadas, mantendo a liderança do torneio. O Cúcuta é o segundo, com 14 pontos em sete rodadas depois de perder por 2 a 1 para o Millonarios, que é o quarto, com 13 pontos. O Once Caldas é o terceiro, com 14 pontos após vitória por 2 a 0 contra o Envigado.

Venezuelanas

Apenas uma partida foi realizada nesta semana pelo Clausura venezuelano. O Deportivo Lara venceu a Portuguesa por 4 a 2 e chegou aos 17 pontos em nove jogos, ocupando a quinta posição. O Trujillanos lidera com 21 pontos em dez jogos, seguido pelo Zamora, com 18 pontos, mas com nove jogos feitos.

Peruanas

No Peru o Alianza Lima fez 1 a 0 no Universitario e chegou a 14 pontos em seis jogos, liderando a competição. O Real Garcilaso é o segundo, com 13 pontos após vencer o Inti Gas por 2 a 1. O Pacífico FC surpreende e é o terceiro com 10 pontos, mesma quantidade que o Sporting Cristal.

Equatorianas

Tivemos apenas dois jogos isolados desde a última sexta-feira no Equador. O El Nacional fez 2 a 1 na Liga de Loja, enquanto o Macará venceu o Deportivo Quevedo por 1 a 0. O Emelec segue líder com 21 pontos em sete jogos, seguido pela LDU com 15 e o Deportivo Quito com 14.

Paraguaias

Não houve partidas em terras paraguaias nesta semana, de forma que o General Díaz segue líder com 15 pontos em cinco jogos. O Nacional é o segundo, com 12 pontos. O Libertad é o terceiro, o Olimpia é o nono colocado e o Cerro Porteño é o último.

Bolivianas

Também não tivemos confrontos na Bolívia, onde o Bolívar se aproveita tem 25 pontos em 10 jogos e lidera a competição. O Oriente Petrolero tem 23 pontos, mas em 11 partidas disputadas. O The Strongest é o nono colocado, com 11 pontos em oito jogos.