Mesmo levando em conta os desfalques dos dois lados, Manchester United e Liverpool faziam um clássico bem mais monótono do que o esperado. Donos da casa, os Red Devils venciam por 2 a 0, e os Reds ensaiavam uma reação em busca do empate, mas pouco acontecia. Até que Christian Benteke acertou uma meia-bicicleta espetacular para diminuir a desvantagem e recolocar o time de Brendan Rodgers no jogo. Apenas para Martial, na sequência, fazer uma pequena fila, bater cruzado e acabar com quaisquer chances do Liverpool e fechar o placar em 3 a 1. De chato a espetacular em dois minutos. Assim foi o duelo deste sábado no Old Trafford.

VEJA TAMBÉM: City mostrou sorte de campeão, mas a melhor notícia da vitória foi o garoto Iheanacho

Sem Rooney, desfalque de última hora, o Manchester United foi com Fellaini como atacante para a partida, o que tornava a bola levantada na área a sua principal opção ofensiva no jogo. Entretanto, pouco fez. Memphis Depay, jogador ofensivo mais perigoso do United, teve um primeiro tempo tão nulo que Louis van Gaal voltou para a segunda etapa com Ashley Young em seu lugar. O Liverpool, por outro lado, desfalcado de Philippe Coutinho, suspenso, e Henderson, contundido, perdeu muito em sua criação de jogadas, e o que se viu foi uma primeira etapa pouco movimentada, sem nenhuma finalização a gol para nenhum dos times.

Logo no início do segundo tempo, o Manchester United abriu o placar, mas graças a uma boa jogada ensaiada, e não porque havia apresentado uma significativa melhora em seu jogo ofensivo. Em cobrança de falta ao lado da área, pela esquerda, Juan Mata rolou para Daley Blind, que apareceu na livre na entrada da área para bater com estilo e fazer 1 a 0. O gol dos Red Devils acendeu o Liverpool, que passou a ameaçar mais o adversário e enfim fez De Gea começar a trabalhar. No entanto, não foi nada eficaz o bastante para empatar a partida, e aos 25 minutos, Ander Herrera, de pênalti, ampliou para o United.

O tento fez o jogo esfriar de vez, e parecia que ficaria assim até o apito final. Até que, aos 39 do segundo tempo, Jordon Ibe iniciou jogada pela direita, cruzou, viu a bola desviar na defesa do United e ser completada por Benteke com um voleio espetacular, digno de entrar em compilação dos maiores golaços de uma temporada. Um lance desses é capaz de levantar uma equipe que antes já parecia batida, mas o golpe final do United não demorou para chegar – e não poderia vir de maneira mais emblemática.

Anthony Martial, o desconhecido garoto de 19 anos pelo qual o United despendeu uma fortuna de € 50 milhões, no último dia da janela de transferências, havia entrado em campo aos 20 do segundo tempo, no lugar de Juan Mata, pela direita, e pouco havia feito. Resolveu cair mais para o lado esquerdo após o gol do Liverpool e não demorou muito para mostrar sua capacidade. Dois minutos após Benteke diminuir, pegou a bola, avançou em diagonal, fez o que quis com Skrtel e bateu cruzado para fechar o placar em 3 a 1. Um belo gol, no estilo Thierry Henry, àquele ao qual o garoto é comparado em seu país natal.

A mais bela cena do jogo foi mesmo o golaço de Benteke, mas o lance acabará ofuscado quando lembrarem do clássico deste sábado. Não apenas pelo United ter vencido, mas por Martial ter respondido tão rapidamente. Justo ele, que foi tão questionado ao ser contratado, julgado por um valor sobre o qual não tem controle algum. Só pode responder por seu futebol, que, logo em sua estreia, em um clássico, mostrou ser bastante interessante.

Confira os golaços de Benteke e Martial: