[Uma Saga de FM] Capítulo 16: Compras e vendas

Depois de mais um título, o Instituto se reforçou em busca da glória continental, em mais uma edição da nossa saga

Para repassarmos o que fizemos e onde estamos: Na última temporada o Instituto de Córdoba conseguiu mais um título argentino e desta vez com dobradinha na Copa! O problema é que no continente ainda estamos deixando a desejar. No segundo semestre de 2017 iniciava-se mais uma temporada!

Como de praxe tivemos chegadas e saídas. Comecemos pelas saídas:

Veja todos os episódios de Uma Saga de FM

Miguel Mejía – Vendido para o Ajax por 9 milhões e 250 mil euros: Eu não tive escolha. Literalmente não tive escolha. Meu ala/lateral esquerdo colombiano recebeu essa proposta aí e a diretoria do Instituto nem deixou eu decidir; já vendeu. Fiquei bravo pois ele ainda tinha 22 anos e ia ser um dos melhores do mundo. Uma pena.

Paolo Goltz – Esse não quis ficar. Referência na campanha da temporada anterior, Goltz quis ganhar um salário irreal para o Instituto. Tentei a todo custo convencê-lo, mas a proposta do Dynamo Kiev o fez deixar o clube de graça.

Roberto Brum – Velhinho deixou o clube de graça depois de bons anos de serviços prestados.

Rescaldani – O nosso centroavante trombador recebeu uma proposta de 700 mil euros do futebol da República Checa. O dinheiro era bom e ele não seria muito utilizado aqui, então deixei-o ir.

Damián Lizio – Somente o afeto por esse jogador que nos ajudou tanto na primeira temporada na elite me fez lamentar a saída. Lizio não tinha mais nível para o nosso patamar e eu o deixei sair para o Vallencienes da França por 700 mil euros. Uma pena. Espero que ele volte um dia.

Bom… Vamos agora às chegadas!

Miguel Valencia – Comprado por 180 mil euros, o meiocampista central de 18 anos vai se desenvolver em um bom jogador segundo meus olheiros.

Martin Rivero – Aos 28 anos, Rivero chega depois de terminar seu contrato com o Colón. É um meia central que joga também pela direita. Será importante tê-lo no elenco já que a idade está chegando para Jorge Luna.

Agustin Torassa – Com 29 anos, Torassa chega de graça depois de uma ótima passagem pelo All Boys. É um goleador nato, mas baixinho.Tem 1,64m. Tentarei escalá-lo ao lado de Facundo Ferreyra.

Edgar Bordone – 21 anos ótimo potencial. Chega já como nosso melhor zagueiro. Melhor de tudo é que veio de graça do Lanús!

Leandro Acciari – Mais um achado dos nossos olheiros. Aos 19 anos, o centroavante Acciari tem um potencial de quatro estrelas! Vai ser nosso titular em algum momento.

Alejandro Casamán – 18 anos, uruguaio. Tem potencial também e sabe jogar de meia direita e volante. É compatriota do técnico aqui (Santiago Milasevan no jogo).

Pavone – Um reencontro! O Boca deixou, eu fiz uma oferta e Federico Pavone volta ao Instituto por 600 mil euros. O ponta direita fez parte da nossa equipe nas duas primeiras temporadas na elite como jogador emprestado. Agora volta em definitivo com 22 anos e boas perspectivas.

Bom, com o novo time fomos a campo para os amistosos da pré-temporada da seguinte forma:

1. Lerda; 4. Delfino, 2. Piriz e 6. Bordone; 26. Caro, 14. Mancuello e 17. Sanchez; 10. Jorge Luna; 9. Ferreyra, 18. Torassa e 19. Rabello

Qual não foi a minha surpresa quando tivemos esses resultados:

Saga de FM 16 - 02

Pois é. Dois empates e uma derrota. Muita coisa deu errado. Luna não jogou nada. Ferreyra aberto pelo lado direito foi uma negação e Mancuello deixou muito a desejar na função de volante.

Decidi sacar Ferreyra do time para a entrada de Lamanna aberto pelo lado. Mancuello ficou, mas ganhou a companhia de um Alfredo Caro com obrigações mais defensivas, enquanto Luna foi pro banco para o retorno de Sebastián Mastrángelo, que havia ganhado a posição na temporada passada. Veio o primeiro jogo à vera:

– Contra o Newell’s no estádio Marcelo Bielsa ganhamos por 3 a 1 com gols de Bordone (na estreia), Torassa e Rabello.

– Na sequência encaramos o Atlético Brown e com muitas dificuldades na defesa superamos o adversário por 4 a 3 com dois gols de Mastrángelo em finalizações de longa distância, um de Delfino de cabeça e um de Alfredo Caro em cobrança de falta.

– Contra o nosso rival Belgrano a coisa foi mais fácil: 4 a 2. Rabello, Torassa, Mastrángelo e Acciari (nosso menino que veio do banco) marcaram os gols do triunfo. O Estudiantes também não foi páreo e vencemos por 2 a 0 graças a Delfino de cabeço e Lamanna em chute cruzado.

– Contra o Vélez a coisa foi mais difícil do que se esperava. O time tinha voltado da segundona e jogou todo mundo na defesa. Tentávamos e tentávamos, mas não conseguíamos furar a retranca. Eis que no fim do segundo tempo (com o time já com quatro atacantes lá dentro da área adversária), nosso ponta direita reserva Pavone acertou um chutaço de fora da área. 1 a 0!

– Veio o Godoy Cruz e para este confrontou Facundo Ferreyra voltou à ser o camisa 9 centralizado. Voltou com fome de gols pois anotou os dois na vitória por 2 a 0.

Saga de FM 16- 03

O próximo jogo seria contra… o mesmo Godoy Cruz, mas pela Sul-Americana. O nosso grande objetivo da temporada era a conquista continental! Mas isso eu conto no próximo capítulo!