Depois de acabar com a invencibilidade do Manchester City, o Liverpool mostrou porque não consegue competir com o líder quando se trata de pontos na tabela. Diante do lanterna Swansea, em Gales, o time foi derrotado por 1 a 0, perdendo pontos importantes na disputa por vaga entre os quatro primeiros, que é o que o time disputa no momento. Reforça o caráter de um time que dá uma no cravo, outra na ferradura.

LEIA TAMBÉM: Klopp quer tornar Liverpool um clube que os jogadores não queiram sair, mas precisa de títulos

Este tipo de variação é o que impede o Liverpool de ir mais longe na Premier League. A campanha é boa, sim, mas quem disputa com um time que vai se consolidando como histórico como o Manchester City precisa ganhar o máximo de pontos possíveis. E o Liverpool consegue perder pontos quando é enormemente favorito, como neste jogo com o Swansea.

Nem mesmo o ataque que é tão badalado, com razão, não conseguiu brilhar. Mohamed Salah, Sadio Mané e Roberto Firmino se movimentaram, tentaram fazer o que fosse possível. Salah teve uma atuação bem abaixo das que tem feito na Premier League. Mané voltou a ser um jogador que aparece menos do que se espera dele. Firmino teve vontade e a melhor chance do lado vermelho para marcar, mas acabou errando em um lance incrível.

O Swansea, comandado por Carlos Carvalhal, fez o que se espera de um time na sua situação na tabela quando enfrenta um time forte como é o Liverpool: se fechou atrás. Montou uma linha defensiva com cinco jogadores. Nem tentou disputar a posse da bola. Contou com uma atuação defensiva excelente, ainda que, claro, como esperado também, sofrendo até os últimos segundos.

O gol foi marcado em um escanteio, aos 40 minutos do primeiro tempo. Sam Clucas cobrou escanteio do lado esquerdo do ataque do clube galês, a bola sobrou no meio da área para o zagueiro Alfie Manson finalizar, no cantinho, e marcar. A comemoração dos jogadores do Swansea dava a impressão de uma surpresa até para eles mesmos.

O Liverpool não se desesperou com o gol e sabia que tinha muito tempo para jogar ainda. O problema é que o time teve muita dificuldade em construir suas jogadas. Em um time que tem a velocidade e habilidade como duas qualidades, faltou o espaço e a criatividade dos jogadores de meio-campo.

Emre Can, que ao que tudo indica vai deixar o clube ao final da temporada, quando acaba seu contrato, foi eleito por Klopp como capitão para o jogo. Ao seu lado esteve Georgino Wijnaldum. Alex-Oxlade Chamberlain era quem mais chegava ao ataque, como um meia ofensivo. Nenhum deles teve uma boa atuação.

No Liverpool, muitas vezes a criação sobrava para Joel Matip, lá no campo de defesa. Ou, na parte final do jogo, com Virgil van Dijk, que criou duas das jogadas mais perigosas do Liverpool na segunda etapa. Uma em um chute de fora da área, precipitado, mas ainda assim perigoso. Na segunda, já nos acréscimos, ele teve consciência e o gol não saiu por um milagre.

Com acréscimos de quatro minutos informado pelo árbitro, o Liverpool foi para cima com tudo. Van Dijk ganhou pelo alto em um lançamento longo, a bola sobrou para Danny Ings, que devolveu de calcanhar para o zagueiro. Dentro da área, o holandês levantou na segunda trave para Roberto Firmino, sozinho. Ele cabeceou na trave e, no rebote, Adam Lallana não conseguiu mandar para o fundo da rede. A bola não entrava de jeito algum.

Mohamed Salah, do Liverpool, lamenta chance perdida (Photo by Stu Forster/Getty Images)

O Liverpool terminou o jogo com 72% de posse de bola e 21 chutes a gol (contra apenas tr6es dos rivais). O problema é que o time não conseguia criar chances claras e por vezes chutou de qualquer jeito. Tanto que apesar dos 21 chutes, só quatro deles acertaram o gol. Sentiu, sim, a falta da criatividade que Coutinho tinha, mas não foi pela falta dele que o time perdeu. Mesmo com o brasileiro em campo, o Liverpool viveu muitas vezes essa situação nos últimos anos. É um time que sofre contra times mais fechados, especialmente da parte de baixo da tabela.

Mais do que um jogador, parece haver um problema de personalidade, de mentalidade no Liverpool. O time sofre quando se vê nessa situação, que se repete por tantas vezes. É verdade que falta personalidade a alguns jogadores, especialmente aos meio-campistas. Alguém que assuma o jogo, nos dias que o time sofre tanto.

Isso Klopp não conseguiu com nenhuma das suas alterações. Lallana e Ings entraram, tiveram vontade, mas o time já estava em um momento de desespero. Dos jogadores do banco, talvez só Milner pudesse dar isso ao time, mas a sua fase tecnicamente não é das melhores.

Com isso, o Liverpool fica em quarto na tabela, com 47 pontos. Manchester City, com 65, lidera, seguida por Manchester United com 53 e Chelsea com 50. O quinto colocado, Tottenham, tem 45 pontos, dois a menos que o Liverpool.

Assista aos melhores momentos da partida aqui.


Os comentários estão desativados.