Um episódio inusitado aconteceu neste domingo, no Estádio Tomás Adolfo Ducó, o popular El Palacio, casa do Huracán. O Globo receberia o River Plate, no retorno do Campeonato Argentino após a pausa de janeiro. No entanto, o duelo local, que podia não provocar os maiores interesses, acabou sofrendo uma ameaça de atentado. A polícia de Buenos Aires recebeu, através de uma ligação, a informação de que uma bomba havia sido colocada na tradicional cancha da capital. Precisou evacuar as arquibancadas e, depois de uma intensa busca realizada pelo esquadrão antibomba, liberou a realização da partida com duas horas de atraso.

A ação da polícia, diante do alarme, foi exemplar. Tirou todas as pessoas presentes no local e criou um cordão de isolamento ao redor do Palacio. O problema aconteceu além deste perímetro. Nem todos pareciam colocar muita fé na ameaça e centenas de torcedores permaneceram no local sem muitas preocupações, aguardando a partida, enquanto aproveitavam o comércio ambulante instalado por ali e as barraquinhas de comida. A falta de cuidados, neste aspecto, foi criticada pelo jornal La Nación.

“A polícia procedeu para evacuar o pessoal que estava no estádio e a interromper os passos de quem ia chegando, mas foram as únicas medidas coerentes, porque a partir deste ponto se viveu uma crônica de momentos grotescos”, analisa o periódico. “Por um lado, as autoridades se limitaram a evitar o acesso além das ruas, mas em nenhum caso tentou afastar as pessoas. E em nenhum momento existiu a mínima sensação de temor. Quase poderia se dizer o contrário. Tudo tranquilo, com calma, sem alterações, com os meninos jogando na rua e as pessoas conversando. Seria admirável, se não fosse a suposta bomba atrás das paredes”.

Os próprios dirigentes, aliás, trataram de colocar panos quentes nos rumores. Mandatário do River Plate, Rodolfo D’Onofrio garantiu que a partida aconteceria. Já o presidente do Huracán, Alejandro Nadur, duvidava da veracidade do ocorrido: “Não sei de onde veio esta informação. Não suspeito de ninguém. Qualquer pessoa pode pegar o telefone e fazer uma ameaça de bomba”.

Quando a bola rolou, o Huracán implodiu as ambições do River Plate de se recuperar no Campeonato Argentino, vencendo os visitantes por 1 a 0. Ignacio Pussetto marcou, de pênalti, o gol decisivo. Marcelo Gallardo promoveu a estreia oficial de Lucas Pratto durante o segundo tempo, mas o centroavante pouco ajudou. Os millonarios ocupam o 19° lugar, com apenas 15 pontos em 13 rodadas. Já o Huracán é o quinto, na zona de classificação às competições continentais.