Preste bem atenção, pois essa é uma imagem histórica. Um Papa nunca levantou uma taça de futebol, ainda mais com tanto gosto. Pois a Libertadores é do San Lorenzo, mas também é de Francisco. Assim como já tinha acontecido na conquista do título do Torneio Inicial de 2013, o pontífice recebeu no Vaticano os jogadores e dirigentes cuervos. Desta vez, no entanto, de peito aberto para segurar aquele que também era seu desejo.

“De modo especial, saúdo aos campeões da América, à equipe do San Lorenzo aqui presente, que é parte da minha identidade cultural”, afirmou Francisco. Afinal, o Ciclón está na vida de Jorge Mario Bergoglio antes mesmo da caminhada religiosa, quando era um pequeno torcedor do clube na década de 1940 e via também seu pai defender a equipe de basquete dos cuervos. A alegria foi contida, é verdade, por um acidente sofrido por seu sobrinho. Ainda assim, era o sonho do menino concretizado em suas mãos.

Confira também:

– A noite em que o Papa gostaria de ser apenas mais um torcedor

– Cinco momentos que provam que Francisco é o Papa mais boleiro

– A história de Francisco como torcedor do San Lorenzo