O Internacional terá uma difícil missão a encarar nesta quarta-feira decisiva pela Copa do Brasil. Por mais que os colorados exibam um excelente aproveitamento dentro do Beira-Rio, o Athletico Paranaense poderá jogar com a vantagem que construiu na Arena da Baixada. Assim, o que resta aos torcedores do Inter é acreditar em uma reviravolta para sair com o título. E a empolgação por aquilo que ainda é possível, de certa maneira, relembra a outra conquista do clube na competição nacional, quando alcançou-se a revanche contra o Fluminense em 1992.

Depois da derrota por 2 a 1 em Laranjeiras, o Internacional também precisava vencer o segundo jogo no Beira-Rio. As arquibancadas estavam cheias e os presentes pareciam amplificar suas vozes em meio ao clima vibrante da decisão. Depois de muito pressionar, o Inter conseguiu o resultado necessário com um gol de pênalti de Célio Silva. Graças ao tento fora de casa, o triunfo por 1 a 0 foi suficiente aos gaúchos – e gerou uma enorme revolta dos tricolores, indignados da marcação do árbitro José Aparecido. Nas arquibancadas, os colorados pouco se importavam e realizavam um carnaval.

Vale lembrar que nem sempre a reação deu certo ao Internacional na final da Copa do Brasil. Em 2009, o clube perdeu a partida de ida contra o Corinthians por 2 a 0 no Pacaembu e não conseguiu construir o placar no Beira-Rio, diante de 50 mil torcedores. O empate por 2 a 2 se tornou insuficiente para a equipe treinada por Tite conquistar o bicampeonato nacional. Desta vez, ao menos, os colorados esperam que a atmosfera apaixonada motive o time para dar um gás a mais e reverter a situação contra o Furacão. Independentemente do resultado, a loucura deve se repetir.

Abaixo, quatro vídeos. Três deles mostram o clima e a finalíssima de 1992, enquanto o último apresenta os contrastes na noite da derrota de 2009: