Dizem que todo bom goleiro conta com sua parcela de sorte. Sem dúvidas, ela esteve muitas vezes ao lado de Diego Alves neste sábado. E o último lance do jogo no Estádio Bernabéu, por mais que tenha sido paralisado por falta, simboliza muito bem o que foi a atuação do goleiro contra o Real Madrid: ele espalmou uma cabeçada à queima-roupa de Pepe, para a bola tocar no travessão e na trave antes de sair. Antes, as traves já tinham salvado o brasileiro por três vezes no primeiro tempo. Ajudaram uma atuação espetacular de Diego Alves. O camisa 1 voou na meta do Valencia para segurar o empate por 2 a 2 contra o Real Madrid e, ainda mais, se tornou o maior pegador de pênaltis da história do Campeonato Espanhol.

VEJA TAMBÉM: Assista a um vídeo com todas as defesas de Taffarel em Copas

Não é de hoje que Diego Alves fecha o gol do Valencia. Só que o goleiro passou por maus bocados há dez dias. O camisa 1 engoliu um frango enorme no custoso empate com o Rayo Vallecano. Precisava se redimir. E como um ótimo arqueiro que se torna monstruoso em momentos decisivos, parou o Real Madrid, seu adversário favorito ao lado do Barcelona. Foram oito defesas ao longo dos 90 minutos, incluindo um pênalti de Cristiano Ronaldo. O brasileiro é o único arqueiro em toda carreira do camisa 7 que o barrou duas vezes na marca da cal, em um total de três duelos.

Durante os primeiro minutos, no entanto, mais providencial que Diego Alves foi a trave. Excelente no início da partida, Bale carimbou o travessão em cobrança de falta. Pouco depois foi a vez de Cristiano Ronaldo parar no poste, em cabeçada que parecia ter endereço certo. Duas chances que custaram caro. Aos 19 minutos, Paco Alcácer desviou dentro da área e contou com o erro de Casillas, bem como da marcação, para abrir o placar.

VEJA TAMBÉM: Pela primeira vez na carreira, Neymar emenda seis jogos seguidos com gols

Só que a situação pioraria demais ao Real Madrid na sequência do primeiro tempo. Toni Kroos sentiu uma lesão na parte posterior da coxa e precisou ser substituído por Illarramendi, deixando dúvidas sobre sua presença no meio de semana, contra a Juventus. No lance seguinte a sua saída, Javi Fuego aproveitou outra brecha defensiva para desviar de cabeça e ampliar a diferença aos 26.

A partir de então, Diego Alves se transformou no homem do jogo. A trave apareceu de novo, barrando o gol de Chicharito. Mas o goleiro também começou a trabalhar, como em um chute de Bale que seguia ao ângulo e ele fez milagre. O lance capital, o pênalti marcado nos acréscimos do primeiro tempo. Cristiano Ronaldo na bola, provocado pelo brasileiro. O artilheiro tentou enganar o camisa 1 com uma paradinha. Diego Alves sequer se mexeu. E numa frieza impressionante, voou no canto para espalmar. O 16º pênalti defendido por ele no Campeonato Espanhol, igualando o lendário Andoni Zubizarreta como recordista da liga.

De um total de 37 penalidades enfrentadas no torneio, o ex-arqueiro do Atlético Mineiro e do Almería pegou 43%. Somando toda a carreira na Espanha, são 19 defesas em 41 cobranças, acrescentando também um pênalti de Lionel Messi que não entrou, pela Copa do Rei. O único goleiro a conseguir parar os dois maiores gênios da atualidade na distância de 11 metros.


O Real Madrid partiu para uma pressão ainda mais intensa no segundo tempo, apostando especialmente no jogo aéreo. De novo, parando em Diego Alves. O camisa 1 se santificou outra vez em desvio de Chicharito, desviando à linha de fundo. Só que, na sequência, nada poderia fazer na cabeçada de Pepe, que igualou o placar aos 11. Nada que abalasse a muralha. Contra Sergio Ramos, também à queima-roupa, o arqueiro cresceu.

De tanto tentar, o Real conseguiu empatar graças ao talento de Isco. O meio-campista chamou a responsabilidade toda para si e, após grande jogada na entrada da área para limpar a marcação, chutou no ângulo. Só assim para tirar do alcance do Diego Alves. Do outro lado, o Valencia também tinha suas chances, mas perdeu várias delas com Álvaro Negredo, muito mal após sair do banco. E Diego seguiu trabalhando até o último lance, a cabeçada de Pepe anulada pela arbitragem, para segurar o empate heroico. Se um dia Del Piero e Ronaldinho saíram aplaudidos do Bernabéu, o paredão também merecia a honraria neste sábado.


O resultado deixa a situação do Real Madrid complicadíssima no Campeonato Espanhol. Quatro pontos atrás do Barcelona, os merengues dependem de dois tropeços dos rivais. Tudo bem que os blaugranas visitam o Vicente Calderón na próxima rodada, mas mesmo com uma derrota ainda podem garantir o título com uma vitória simples sobre o Deportivo de La Coruña no Camp Nou. Ao que parece, só um milagre salva os madridistas, que encaram Getafe e Espanyol nos últimos dois jogos.

Já o Valencia se consolida na zona de classificação à Liga dos Campeões, na quarta colocação, quatro pontos à frente do Sevilla – que, por sua vez, tem um jogo a menos. Uma posição que se deve demais a Diego Alves. Dono da terceira defesa menos vazada do campeonato, o goleiro defendeu quatro pênaltis em toda a temporada. Um fenômeno que merece toda a idolatria no Mestalla, e não só pelo que faz no um contra um contra grandes craques.

A lista dos 15 pênaltis anteriores defendidos por Diego Alves (Transfermarkt)

diego alves

Além disso, dois vídeos: os 14 primeiros pênaltis defendidos e anterior ao de Cristiano Ronaldo