Dentre os clubes tradicionais que não militam na elite de suas ligas nacionais, o Royal Antuérpia está entre os maiores. Time mais antigo da Bélgica, os alvirrubros possuem quatro títulos nacionais e 14 participações nas copas continentais. Em 1992/93, chegaram até mesmo à decisão da Recopa Europeia. Eliminaram Steaua Bucareste e Spartak Moscou, antes de serem derrotados para o Parma de Nevio Scala na final em Wembley. História gloriosa que andava relegada ao passado, diante dos 13 anos consecutivos na segunda divisão. Neste final de semana, porém, a espera acabou. A torcida do Great Old pôde comemorar o retorno ao primeiro nível.

VEJA TAMBÉM: Ele realizou o último desejo e se despediu do time dois dias antes de partir

Acostumado a figurar entre os principais times da Bélgica, o Royal Antuérpia perdeu força na virada da década. Foi rebaixado em 1998 e voltou dois anos depois. Já em 2004, não sobreviveu à sequência de campanhas medíocres. Desde então, precisou se acostumar com a segundona. A crise financeira bateu forte e andava difícil se aproximar até mesmo da zona de acesso. Até a guinada vivida nos últimos meses. Em 2016, o Great Old ficou a um ponto de subir. Nada que o atrapalhasse nessa temporada, mesmo com as mudanças na estrutura do futebol local, que passou a oferecer apenas uma vaga à elite.

Dono da melhor campanha do segundo turno, o Royal Antuérpia ganhou o direito de disputar os playoffs de acesso contra o Roeselare. Fez sua parte no primeiro jogo, em casa, ao derrotar os adversários por 3 a 1. Já neste sábado, a comemoração aconteceu longe de casa. Os alvirrubros fizeram 2 a 1, com o gol decisivo saindo aos 38 do segundo tempo. Festa de uma das torcidas mais apaixonadas da Bélgica.

Ao longo do calvário na segundona, o Royal Antuérpia manteve uma das melhores médias de público do Campeonato Belga. Principal clube da segunda cidade mais populosa do país, com 510 mil habitantes, o Great Old leva 11,5 mil torcedores por jogo desde a temporada passada. Considerando também as equipes da primeira divisão, é a sétima maior marca da liga nacional. Que tende a crescer no retorno ao nível máximo.

Mesmo no sábado, enquanto os jogadores se empenhava em Roeselare, milhares de alvirrubros lotavam as arquibancadas do Estádio Bosuil. Assistiam à decisão em um telão, com direito a sinalizadores e muita cantoria. Já depois da conquista, aguardaram o retorno dos campeões, em comemoração que varou a noite. Paixão que volta a figurar na primeira divisão a partir de 2017/18.

royal