Poucos lugares do mundo possuem torcidas tão calorosas quanto o norte da África. Tão importante quanto jogo em si é a representação que a multidão faz nas arquibancadas. Um ritual que se repete, sob mais atenção do ocidente, nos grandes clássicos do Marrocos e do Egito. Mas que também acontece em iguais proporções na Argélia. USM Alger e MC Alger formam o principal dérbi da capital do país. Um confronto que completou 75 anos de história em 2015 e possui um impressionante poder de mobilizar as massas. Como os torcedores de ambas as cores bem demonstraram na última terça, em jogo válido pelo Campeonato Argelino.

Mais de 70 mil pessoas lotaram as arquibancadas do Estádio 5 de Julho, o mais importante palco do futebol na Argélia. E pouco importou se o futebol não foi dos melhores, com o empate por 0 a 0 – que manteve o USM Alger, atual vice-campeão africano, na liderança do campeonato. O clássico valeu mesmo por aquilo que se observou no entorno do campo ao longo dos 90 minutos: pirotecnia, coreografias, bandeirões e mosaicos. Em um ambiente como este, observar a bola acaba sendo mero detalhe.