Nas esquinas da milenar cidade de Homs, região central da Síria, é impossível encontrar alguém que não conheça o Al Karama, o sensacional clube que fez horrores no futebol asiático, em 2006, sendo vice-campeão do continente.
Os Eagles possuem uma das torcidas mais apaixonadas da Ásia e seguem firme dominando a liga nacional com 100% de aproveitamento em busca do tricampeonato.

O que chama mais atenção no time é a manutenção da base, que está a quase quatro anos atuando junta. Além do esquema tático implantado pelo treinador libanês Mohammed Kwid. Seguindo as tendências mundiais, ele esboça um 4-5-1 nos jogos da Liga dos Campeões da Ásia e ‘solta’ mais o time no campeonato nacional, alinhando num 4-4-2.

Um ano depois de arrastar as atenções do mundo chegando a final da LC asiática 2006 (caiu nas quartas-de-final este ano), o clube azul e laranja se mantém ‘nas cabeças’ e é exemplo administrativo não só na Síria como no resto da Ásia. Sempre honrando seu nome, ‘Karama’, que significa “dignidade” em árabe.

Viva a regularidade: O segredo das Águias

É impressionante a solidez e a regularidade do elenco do Al Karama. Com uma média de idade de 25 anos, o ‘onze’ inicial básico do clube sírio sofreu escassas alterações em um ano.

Os medalhões da seleção nacional como Al Hussien, Aatef Jenyat e Iyad Mando seguem intocáveis e o defensor brasileiro Fábio Santos – de escandalosos 2,06 alt. – é uma das referências do time de Homs.

As pequenas modificações da equipe do técnico Mohammed Kwid, que varia entre o 4-5-1 e o 4-4-2, aconteceram em todos os setores – e sem prejudicar o desenvolvimento.

Na linha de defesa, o experiente Jehad Kassab, 32 anos, perdeu posição para o não menos veterano Hassan Abbas, de 33. Na zona central, o titular em 2006 era Abdul Refai. Agora quem alinha ao lado de Mando, Hussien e Jenyat, é Firas Issmael – um jogador com um raio de ação muito amplo, quase um ‘box-to-box’.
Tanto Abbas quanto Firas já faziam parte do elenco.

A terceira mudança foi no ataque. Os badalados avançados Mohanad Ibrahim, Al Hamwi e Akkari (negociado recentemente com o futebol jordaniano), ganharam a companhia do africano Andria Sango (que atuava nos jogos da LC da Ásia deste ano, onde o time alinhava com apenas um atacante).

Ele ficou até o fim do 1º semestre e deu lugar ao jovem senegalês Senghor Koupouleni. Um futebolista que mescla velocidade e ímpeto goleador. Com 21 anos, tem uma margem de progressão muito próspera. Não será surpresa vê-lo na Europa no futuro.

Abaixo, em CAIXA ALTA, as poucas mudanças do Al Karama em um ano:

2006
Resultados: Campeão sírio e vice da LC asiática.
Equipe-base: Balhous; Abduldaim, Fábio Santos, Jehad Kassab e Al Khouja; Aatef Jenyat, Abdul Refai, Al Hussien e Iyad Mando; Al Hamwi; Mohanad Ibrahim.

2007
Resultados: Bicampeão sírio e da Copa da Síria. Queda nas quartas-de-final da LC da Ásia. Lidera o atual certame nacional com 100% de aproveitamento.
Equipe-base: Balhous; Abduldaim, Fábio Santos, HASSAN ABBAS e Al Khouja; Aatef Jenyat, FIRAS ISSMAEL, Al Hussien e Iyad Mando; Al Hamwi; SENGHOR KOUPOULENI.

CURTAS

– AFC CUP
A final será toda jordaniana. O Al Faisaly tentará o tricampeonato contra o Shabab Al Ordun.
Em contato via e-mail com a Trivela, o torcedor jordaniano Anas Aljawaldeh, de 18 anos, contou que “estamos muito orgulhosos, não só pelo Al Faisaly, mas por três times da Jordânia terem chegado as semifinais e a final ser disputada por equipes daqui”.
A AFC Cup é o segundo torneio interclubes mais importante da Ásia. Reúne clubes de países que a Confederação Asiática classifica como ‘Nações em desenvolvimento’.

– ARÁBIA SAUDITA
O Príncipe Abdullah Ben Mussaed, membro de honra do Al Hilal, anunciou na TV Al Arabiya que pretende trazer o Manchester United ainda este ano para o território saudita. Para quê? Uma partida festiva para a despedida do lendário atacante Sami Al Jaber, que anunciou sua aposentadoria em agosto.

– LIGA DOS CAMPEÕES DA ÁSIA
Urawa Red Diamonds, do Japão, e Sepahan, do Irã, farão a final da Liga dos Campeões da Ásia 2007, o principal torneio interclubes do continente. Na próxima coluna, a Trivela trará tudo sobre este confronto decisivo.