O Estádio Monumental José Fierro viveu um dos maiores dias de sua história neste final de semana. Pela primeira vez desde 1981, o clássico de San Miguel de Tucumán voltou a acontecer na primeira divisão do Campeonato Argentino. E em um momento representativo a ambos os clubes: enquanto o San Martín celebra o retorno à elite após quase uma década longe, o Atlético Tucumán protagoniza anos de força, lutando pelas primeiras colocações na liga e fazendo bons papéis nas competições continentais. O jogo deste sábado valia bastante ao Decano, que vislumbrava assumir a liderança provisória da competição. Todavia, quem se deu melhor foi o San Martín, tradicional participante da primeira até os anos 1980. Numa virada completamente impensável, os alvirrubros venceram por 3 a 2, frustrando as pretensões dos rivais.

Tucumán possui um contexto bastante particular em seu futebol, vivido de maneira intensa na cidade do interior, mesmo que seus clubes não sejam exatamente potências nacionais. Por isso mesmo, o ressurgimento do clássico na primeira divisão provocou imagens inesquecíveis. A começar pelo recebimento promovido pela torcida do Atlético, anfitriã da tarde. A fumaça colorida, os trapos, o papel colorido, as bandeiras e os fogos tomaram os céus da cidade, com direito a um mosaico gigante na faixa central. O clima efervescente que se esperava em uma partida desta magnitude, tingida de albiceleste. Independentemente da rivalidade, porém, as duas agremiações fizeram questão de ressaltar que não são inimigas. Durante a entrada em campo, inclusive, os jogadores posaram juntos, exibindo uma faixa em combate à evasão escolar.

O Atlético Tucumán parecia pronto a confirmar o favoritismo, contra um rival que possui como objetivo escapar do rebaixamento. O ídolo Pulga Rodríguez abriu o placar cobrando pênalti no primeiro tempo. Já no início da segunda etapa, ele mesmo deu a assistência para David Barbona ampliar. Um minuto depois, o San Martín mostrou que não estava morto. A partir de um rebote do goleiro, Luciano Pons descontou. Já a virada foi instantânea, entre os 28 e os 30. Primeiro, Lucas Acevedo cabeceou firme para empatar. Por fim, o herói foi Alberto Costa, em mais uma sobra, após ótima intervenção do goleiro Cristian Lucchetti. E durante os instantes de agonia no final, enquanto os alvirrubros tentavam gastar o tempo com cera, Pulga quase pegou o carrinho maca para dirigir. Nada que impedisse o amargo revés do Decano.

O Atlético Tucumán aparece na segunda colocação do Campeonato Argentino. Tem 28 pontos, dois a menos que o líder Racing, em campo nesta segunda-feira. Além disso, pode ser ultrapassado pelo Defensa y Justicia, que também entra em campo na segunda, com dois pontos a menos. Já o San Martín é o 17°, saltando posições com a vitória. Poderá desfrutar o gosto pelo triunfo ao longo de mais alguns meses, quem sabe se mantendo na primeira divisão e dando aos rivais a possibilidade de revanche.

https://www.youtube.com/watch?time_continue=22&v=82b__q4gDi4