O final de semana terá muitos campeões pelo Brasil, com a reta decisiva dos estaduais. E também muitos personagens ficarão marcados. Em finais que acabam na memória de suas torcidas, sempre surgem os protagonistas para conduzir o enredo. No caso do Cruzeiro, por exemplo, Fred se tornou inescapável neste sábado, após anotar o gol decisivo contra o Atlético Mineiro no Estádio Independência. Da mesma maneira, os títulos de Gama, Frei Paulistano e Botafogo-PB tiveram seus figurões, determinantes nas campanhas. Assim, diante do desfecho, aproveitamos para contar três breves histórias sobre quem brilha pelo país. Personagens que, centrais ou não nas finais, são notáveis às trajetórias vitoriosas.

Clayton, do Botafogo-PB

A conquista do Botafogo no Campeonato Paraibano possui um simbolismo considerável. Maior campeão local, o Belo chegou aos seu 30° título. Além disso, pela primeira vez desde a década de 1980, um time do estado conseguiu emendar três taças consecutivas. E se o elenco possui alguns jogadores tarimbados, como o atacante Marcos Aurélio e o goleiro Saulo, o grande craque da campanha foi Clayton. Apelidado sugestivamente pela torcida de CR7, o meia fez um campeonato espetacular. Anotou sete gols em dez partidas, demonstrando muita habilidade e potência em chutes de longa distância. A fome de gols era tanta que, inclusive, começou a ser testado no ataque. E não passaria em branco neste sábado, no segundo confronto com o Campinense. Depois da vitória por 2 a 1 no jogo de ida, o Botafogo ratificou a conquista no Almeidão com novo triunfo, agora por 2 a 0. Clayton se encarregou de abrir o placar logo nos primeiros minutos e recebeu o carinho da torcida. Nascido no Rio Grande do Sul, o camisa 7 rodou por clubes de seu estado e também chegou a defender o Sport. Contratado pelo Belo durante a última Série C, encaixou-se rapidamente no time e virou um de seus destaques. Os alvinegros tentam segurá-lo no elenco, apesar do assédio de outras agremiações.

Nunes, do Gama

Maior campeão distrital, o Gama teve sua liderança histórica no campeonato ameaçada ao longo dos últimos anos pelo Brasiliense. E a disputa se refletiu na decisão deste ano do Candangão. Ao final, os alviverdes conseguiram se impor contra os rivais. O empate por 2 a 2 alcançado neste sábado consumou o 12° título do Periquito, três a mais que o Jacaré. E um velho conhecido da capital pôde festejar com sua nova torcida: o centroavante Nunes, que defendia o justamente o Brasiliense, mas se transferiu ao Gama nesta temporada e se transformou em um dos artilheiros da equipe, autor de cinco gols. O veterano mantém o seu estilo explosivo e provocador. Embora tenha passado em branco nas finais, deu uma assistência no primeiro jogo e contribuiu para a vitória por 3 a 1. Já neste sábado, quase anotou um golaço de letra e ainda travou uma batalha particular com Lúcio, pentacampeão do mundo que resiste na zaga amarela. Durante a comemoração no Mané Garrincha, o atacante de 36 anos era um dos mais empolgados. O Gama ainda fechou a campanha de maneira invicta, com 14 vitórias e três empates. O capitão na conquista foi o zagueiro Emerson, de passagens famosas por Avaí e Coritiba.

Betinho, do Frei Paulistano

Fundado em 2016, o Frei Paulistano subiu à primeira divisão do Campeonato Sergipano na temporada seguinte. Fez campanhas medianas em suas duas primeiras participações, até surpreender em 2019. O regulamento ajudou. Em uma competição na qual seis dos nove clubes avançavam ao hexagonal final, o representante da cidade de Frei Paulo teve mais derrotas que vitórias na primeira fase e mesmo assim sobreviveu. E a mudança de ares contou com a participação decisiva do técnico Betinho. Há pouco mais de um mês, ele foi demitido pelo Confiança. Dois dias depois, ganhou o emprego no Frei Paulistano, convidado para substituir Gil Sergipano, que largou o cargo por problemas pessoais. Como se não bastasse, logo na estreia arrancou um empate dramático por 2 a 2 contra os próprios azulinos, contando com um gol salvador de Matheus, seu filho – já no elenco antes da chegada do pai e uma das motivações em sua assinatura. A partir de então, o Touro do Agreste manteve a invencibilidade. Terminou o hexagonal na liderança e, na decisão contra o Itabaiana, derrotou os oponentes nas duas partidas. Neste sábado, o triunfo por 3 a 1 garantiu a festa de sua torcida no Batistão. Ex-meia com passagens por Cruzeiro e Palmeiras, o veterano possui uma trajetória vitoriosa como treinador no futebol sergipano e já comandou as principais equipes do estado.