O Tottenham teve uma péssima notícia nesta terça-feira. O atacante Son Heung-min sofreu uma fratura no braço durante o jogo contra o Aston Villa, que os Spurs venceram por 3 a 2 com dois gols do sul-coreano, o último deles nos acréscimos para dar a vitória. O atacante sofreu a lesão no primeiro minuto do jogo em uma dividida com Ezri Konsa. Ele terá que ser operado e o período afastado foi informado como sendo de “várias semanas”. O técnico, José Mourinho, admitiu que não espera que o jogador volte a disputar alguma partida ainda nesta temporada.

“Son Heung-min irá passar por cirurgia depois de fraturar seu braço direito. O jogador da seleção sul-coreana sofreu uma lesão durante nossa vitória contra o Aston Villa no domingo. Depois da cirurgia, nossa equipe médica irá revisar as opções de gerenciamento para a reabilitação de Son como jogador e com expectativa de ficar afastado por várias semanas”, diz comunicado do clube.

A lesão de Son é um grande problema para José Mourinho, que já não conta com Harry Kane, afastado por um longo tempo e que só deve voltar já no final da temporada. Sem Kane, Son vinha sendo o atacante centralizado. No último jogo, ele foi o jogador pelo meio, acompanhado por Steven Bergwijn por um lado e Lucas Moura do outro. Ambos são candidatos a ocupar a posição centralizada, se o técnico quiser manter o esquema.

Bergwijn é um jogador que atuou centralizado algumas vezes enquanto foi jogador do PSV, o que pode ser uma boa alternativa para Mourinho. Ele também pode jogar com um ataque com dois jogadores lado a lado e, assim, ter Lucas junto com ele. Dele Alli, que é normalmente um jogador que vem do meio-campo, pode ser adiantado para ficar mais próximo dos companheiros e ser uma opção ofensiva também.

A opção menos cotada é o aproveitamento de Troy Parrot, atacante da seleção sub-21 da Irlanda, de apenas 18 anos. Ele também pode jogar pelo lado do campo. Ele deve passar a ser opção não para o time titular, ao menos por enquanto, mas para ser uma opção de banco de reservas, dado o número de lesões no ataque. Ele só jogou uma partida nesta temporada, entrando nos minutos finais do jogo contra o Burnley, no dia 7 de dezembro, em uma vitória por 5 a 0.

Perguntado se esperava que Son ainda voltasse a jogar nesta temporada, Mourinho foi enfático. “Eu não. Se ele jogar um jogo ou dois, é porque ele [o chefe de comunicaçòes, Simon Felstein] é muito otimista. Eu espero que ele esteja bem, mas na minha mente, não. Na minha mente, eu não estou pensando nisso. Se fosse eu a escrever o comunicado, eu escreveria diferente. Então, você pode entender o que eu quero dizer. Nós sentiremos falta dele”, afirmou o treinador do Tottenham em coletiva de imprensa.

“A situação não poderia ser pior em termos de opções”, disse Mourinho. “Não há nada que possamos fazer. Nós iremos jogar com os jogadores que nós temos disponíveis. Os jogadores irão se dedicar absolutamente ao máximo. Em alguns períodos, eu estava preocupado sobre não ter opções de ataque no banco; agora, eu não tenho opções de ataque em campo”, continuou o técnico.

“Nós iremos desistir ou lutar do modo como podemos? Nós iremos lutar do modo como pudermos. Nós sabemos que é muito injusto para os jogadores depois de tanto trabalho duro. Ontem, a má notícia… A primeira coisa foi quebrar nossas corações e a segunda coisa foi quebrar o nosso time. Mas nós temos que nos recuperar dos corações partidos. Provavelmente nossos adversários estão pensando ‘uau, agora é hora de matá-los’. Eu entendo se eles pensarem dessa forma, mas eu não acho que será fácil para o Leipzig jogar contra nós”, analisou o treinador português.

Mourinho precisará remontar o time novamente para poder ter um ataque tenha alguma eficiência. Sendo assim, é possível vermos o uso de outros jogadores de lado de campo para Bergwijn usar sua ótima capacidade de finalização para fazer os gols que o time precisará. Um bom candidato é o argentino Erik Lamela, que costuma ser um jogador de lado de campo que entra bastante na equipe. O time tem um duelo duro contra o RB Leipzig, nesta quarta-feira, pela Champions League, em Londres.