Passividade. Talvez não haja palavra melhor para definir o problema de violência nos estádios do Brasil. Ela começa dentro das próprias torcidas organizadas, que, ao invés de zelarem pelo intuito primordial de torcer, acabam sendo permissivas com os vândalos que causam episódios como o deste domingo, no clássico entre Palmeiras e Corinthians. Indivíduos podem não ser a maioria, mas contaminam a imagem da uniformizada para muita gente e alimentam uma compreensível campanha contrária. A passividade também passa pelos clubes, diante da maneira como quase nunca encaram o problema de frente e, pior, passam a mão na cabeça das uniformizadas. E, se não há controle interno, a passividade se amplifica a partir do poder público.

Após os confrontos antes do clássico paulista, que colocaram uma morte (ainda não totalmente esclarecida) a mais nas estatísticas, todos os 55 detidos foram liberados. E qual a solução da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo para a barbárie no clássico? Torcida única até o final do ano. Um escárnio com todo e qualquer torcedor que frequenta estádios. Um atestado de incompetência, de quem não sabe como lidar com o problema.

VEJA TAMBÉM: Excluir torcida visitante é mais uma prova de como autoridades não gostam de lidar com pessoas

Há brechas que, no fim das contas, acabam sendo dadas pela legislação. Porém, o poder público não caminha a uma ação realmente efetiva – seja por falta de vontade ou de capacidade. Por que não criar um sistema de monitoramento que realmente funcione? Por que não exigir um controle maior dentro dos próprios clubes e das organizadas? Por que não punir de maneira severa (ao menos no âmbito esportivo) os indivíduos, especialmente os reincidentes? Por que não se espelhar em exemplos de outros países que já tomaram atitudes e diminuíram a violência relacionada ao futebol?

Torcida única é a medida mais óbvia. E também a mais inútil. Afinal, os confrontos deste domingo não aconteceram necessariamente nos arredores do Pacaembu. Para quem não conhece São Paulo, São Miguel Paulista fica bem longe do estádio. Nas atuais condições, nada impediria que os grupos se cruzassem na estação de trem, por mais que fossem em números menores. Ou marcassem a briga pela internet, como já aconteceu diversas vezes – e a prevenção dos organismos de segurança pública para isso também se sugere falha.

VEJA TAMBÉM: Torcida única não atrapalharia quem quer brigar, mas sim, gente como o Rodrigo e o Eduardo

Há uma série de interesses dúbios por trás destas posições, que devem ser questionados. Desde o posicionamento político ao interesse econômico. Mas as maiores indagações devem ser: por que quem não tem nada a ver com a história sempre sofre as consequências?

Podem querer que o estádio inteiro vista apenas uma camisa. Assim como podem querer que as torcidas organizadas sejam extintas. As velhas soluções inoperantes, já tomadas antes, para os velhos problemas. Não deram certo no passado e não devem ser mais do que paliativas agora. Enquanto isso, nenhuma das partes envolvidas no entrave parece interessada em tomar um caminho diferente, e que nem precisa ser tão inovador assim. Diante da passividade, perdem todos. Em especial aqueles que não deveriam ter nada a ver com isso: o torcedor visitante, o clima nas arquibancadas e, infelizmente, aqueles que continuarão inocentemente atingidos pela violência que não se resolverá assim.