Na contramão do desenvolvimento dos clubes por meio de alto investimento, contratações milionárias e vendas de ações, o Portsmouth dá um passo importantíssimo para retomar seu prestígio e o lugar na elite do futebol inglês. O Fundo de Torcedores (um grupo formado por pequenos investidores que lutam pelos interesses do clube) adquiriu o direito de controlar o Fratton Park, estádio que recebe os jogos do Pompey desde 1898. Foram 11 horas de negociação com o antigo dono do Portsmouth, Balram Chainrai e a proposta de €3,5 milhões foi aceita pelo cartola.

De acordo com Ashley Brown, presidente do fundo, o grupo ficará com 51% das ações do estádio, num processo de reestruturação após três anos absolutamente nebulosos da equipe, que já enfrentou dois pedidos de concordata e hoje está na terceira divisão inglesa.

No entanto, uma punição de 10 pontos imposta pela Football Association pode rebaixar o Pompey novamente. Isso não chega a preocupar Brown, que se diz otimista com o recomeço da agremiação: “Agora estamos olhamos para o futuro. Tivemos uma pausa para nos reorganizar e agora temos um time controlado pelos torcedores, pessoas que o amam incondicionalmente. Vamos ter um clube de futebol sustentável e transparente, da maneira como deve ser”, comenta.

Ao assumir a fatia majoritária do Fratton Park, o fundo também caminha para adquirir as ações do próprio Portsmouth, livrando o clube de investidores estrangeiros e aventureiros como visto no seu próprio histórico recente.

Um passo de cada vez: primeiro o estádio, depois a agremiação

A Football League, órgão que regula o futebol no Reino Unido, deixou claro que os torcedores foram os únicos a fazer alguma oferta de compra do Portsmouth. Até o fim de abril, a federação estava pronta para aceitar a negociação, mas elas estagnaram com a entrada do empresário londrino Keith Harris, ligado a Roman Abramovich. Keith realizou uma contra proposta que envolvia a soma de €7.3 milhões, auxiliado por uma espécie de consórcio. Harris também tentou comprar o próprio Fratton Park, sem o vínculo com o time, mas sem sucesso.

A estrutura formada pelos torcedores reuniu cerca de 2.000 pessoas que doaram cerca de €2 mil cada uma. Outros integrantes investiram cerca de €50 mil, representando grande parte do dinheiro necessário na aquisição das ações do estádio.

Se a iniciativa de também assumir o Portsmouth se concretizar, o empresário local Iain McInnes será o presidente. Ao ver que todo o seu trabalho e dos colegas começou a dar resultado, ele derramou algumas lágrimas no júri onde foi selada a venda do Fratton Park: “Chorei no tribunal, pois é um dia fantástico para o clube. Sempre acreditei que conseguiríamos. Tem sido meu trabalho manter todos unidos neste ideal. Tudo isso é pelos torcedores que sofreram durante estes anos e que não terão mais essa tristeza. Nos subestimaram, mas aqui estamos para provar que nossa união valeu a pena. Ganhamos a guerra, agora temos de conquistar a paz”, declara McInnes.