Os protestos da torcida contra os donos do Leyton Orient continuam. Com o clube já rebaixado da League Two (quarta divisão) para a National (quinta divisão) desde a rodada anterior, os torcedores fizeram um protesto na última partida do time em casa. A equipe era derrotada por 3 a 1 pelo Colchester no estádio Matchroom. Mais de 700 torcedores invadiram o campo e se sentaram no gramado aos 40 minutos do segundo tempo. O jogo teve que ser concluído com portões fechados.

LEIA MAIS: Em meio ao caos, Leyton Orient é rebaixado da Football League pela primeira vez em 112 anos

A loucura do episódio é que os torcedores se recusavam a deixar o gramado. Por isso, a polícia e seguranças do estádio decidiram por informar ao público que o jogo tinha sido cancelado. Com isso, conseguiram tirar os torcedores do gramado e, então, sem nenhum deles em campo, o jogo foi reiniciado para serem jogados até o último minuto.

Situação dramática

A situação financeira do Leyton Orient é bem complicada. Os protestos são contra o dono do clube, o italiano Francesco Becchetti. Depois de se salvar de sofrer uma liquidação pagando a dívida com a receita britânica, o dono recebeu prazo até o dia 12 de junho para pagar as dívidas. O italiano tem que pagar as dívidas ou vender o clube e indicou que deve investir mais £ 1 milhão para manter o clube operando. Mas a situação é dramática.

Na rodada passada, quando o clube teve o rebaixamento decretado, com o fim do mês de abril se aproximando e sem o pagamento de salários, os funcionários e comissão técnica do clube fizeram um pedido para que a English Football League (EFL, que administra da segunda à quarta divisão) e a Football Association (FA, a federação de futebol inglês) intervenham.

O rebaixamento a non-league é algo muito impactante para o clube. Foram 112 anos na Football League e, pela primeira vez em sua história, o clube de Londres irá jogar uma divisão non-league (como são chamadas as ligas da quinta divisão para baixo).

O temor dos torcedores é que o clube não consiga voltar com o caos administrativo que vive. Com o clube ainda correndo riscos financeiros, os torcedores querem a saída de Becchetti do clube imediatamente. Enquanto isso, os torcedores sofrem.