Mais uma vez, em menos de uma semana, um episódio lamentável ocorreu antes de a bola rolar em um jogo do Lyon. Desta vez, porém, foi no Armand Cesari, casa do Bastia. E as cenas envolveram também os jogadores. Aconteceu que os atletas do time visitante faziam o aquecimento no gramado antes da partida quando torcedores truculentos dos Bleus invadiram o campo e foram para cima dos jogadores.

VEJA MAIS: Briga de torcida, invasão de campo, união e virada maluca: Lyon x Besiktas foi bem movimentado

A violência partiu dos ultras do Bastia, 20º colocado na Ligue 1. Os seguranças do estádio tentaram contê-los, mas um bocado de torcedores da equipe mandante perseguiu os jogadores do Lyon até a entrada que leva ao vestiário com a intenção de agredi-los. Eles arremessaram bolas nos atletas, dispararam ofensas e, por pouco, não causaram algo maior e mais grave machucando profissionais que só estavam fazendo seu trabalho.

“Os torcedores do Bastia começaram jogando bolas no gol de Gorgelin. Memphis Depay, então, as jogava de volta para eles, e acabou sendo confrontado por muitos fãs do time da casa. Rapidamente, os jogadores ficaram uns ao lado dos outros. Eles e a comissão técnica ficaram chocados com o que estava acontecendo”, contou Jérémy Berthod, ex-jogador do Lyon que hoje trabalha no canal oficial do Olympique Lyonnais e presenciou o episódio.

Claro que isso fez com que os jogadores do Lyon ficassem com medo de entrar em campo para o jogo. “Nenhum deles queria sair do vestiário depois do que aconteceu”, revelou ainda Berthod. No entanto, as autoridades insistiram para que o jogo acontecesse. O primeiro tempo foi realizado, sem gols. E no intervalo, mais confusão. Os ultras voltaram a invadir o campo para agredir os jogadores do Lyon.

Anthony Lopes, goleiro titular do Olympique, foi o principal alvo. O português chegou a ficar cercado por torcedores do Bastia e pessoas que trabalham no clube. Foi aí que mais confusão, com empurrões e insultos, foi gerada. Inclusive, com diretor da agremiação da casa envolvido. Isso foi a gota d’água para que a optassem, enfim, pela suspensão da partida. Ou seja, não houve segundo tempo.

Não foi a primeira vez que torcedores do Bastia foram agressivos e insultuosos nesta temporada. Em fevereiro, o clube foi ordenado a interditar parte de seu estádio por três jogos depois de um grupo de fãs ter proferido gritos racistas a Balotelli, em partida contra o Nice. E após o que aconteceu neste domingo, o Bastia deve sofrer consequências graves de novo.