Há quem ache que o papel da imprensa é torcer pelos clubes brasileiros na Libertadores. E tem até alguns jornalistas que acreditam nisso. Muitos torcedores querem que os veículos falem bem do time dele. Não querem ouvir que o time jogou mal nunca, só se importam em manchetes que exaltem os feitos do seu clube do coração. Talvez estejam acostumados com o puxa-saquismo de alguns veículos, que fazem manchetes felizes que sempre agradam aos torcedores. Não me coloco no papel de ombudsman de outros veículos, ao contrário. Cada um tem sua linha editorial e sabe a razão de segui-la. Só que os torcedores não podem esperar que todos sejam iguais. 

No jogo desta quinta-feira na Libertadores, o Fluminense venceu sua quarta partida consecutiva. Vitória por 1 a 0 sobre o Zamora, da Venezuela, fora de casa. É o único time da competição que tem 100% de aproveitamente, incluindo aí um triunfo contra o Boca Juniors em plena Bombonera. Alguns soltariam aquela famosa frase: contra fatos não há argumentos. Certo? Não, errado. Fatos são apenas fatos, mas o futebol não vive só dele. Assim como esporte algum vive apenas da estatística.

O Fluminense venceu jogando muito mal. E venceu um time fraco, que só conseguiu um ponto no grupo até agora, em uma partida em casa contra o Boca Juniors que os argentinos foram também muito mal. No jogo desta quinta, o Flu não conseguiu produzir muito ofensivamente, apesar do quarteto sensacional Deco, Thiago Neves, Wellington Nem e Fred. Quatro jogadores de altíssimo nível. Só que produziram pouco. Houve um lance questionável no primeiro tempo, que considerei pênalti em Wellington Nem. No mais, a melhor chance de gol foi do Zamora. 

O segundo tempo continuou sofrível e o Flu até melhorou, mas continuou fazendo muito pouco. E o jogo caminhava para um 0 a 0 na Venezuela, não fosse a cobrança de falta de Rafael Sóbis, que teve competência e sorte ao cobrar com firmeza e contar com desvio do zagueiro no meio do caminho. Vitória por 1 a 0, magra, com futebol fraco. A campanha é irrepreensível. É o primeiro time matematicamente classificado às oitavas de final, com merecimento.

Só que o futebol, até aqui, é fraco. Dos quatro jogos, apenas em um dos jogos o futebol foi bom: contra o Boca Juniors, na Bombonera. Nos demais, mesmo vencendo, jogou mal. Só que tem torcedor que não quer ouvir isso. Quer apenas que digamos “Fluzão 100%”, “Melhor time da América”, ou qualquer coisa do time. Talvez não goste tanto de futebol. Goste só do seu time.